Alimentos ainda pressionam e IGP-M sobe 1,05% em outubro

REUTERS

SÃO PAULO - Os custos dos alimentos mantiveram-se em patamar elevado em outubro o que fez com que o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) fechasse o mês com alta de 1,05 por cento, acima das expectativas do mercado, mostraram dados divulgados nesta terça-feira.

A pressão exercida pelos alimentos foi menor do que em setembro, quando o IGP-M subiu 1,29 por cento, mas a diminuição não foi na magnitude esperada, o que fez o índice ficar acima das estimativas.

Analistas consultados pela Reuters projetavam avanço de 0,85 por cento para o IGP-M em outubro. Os prognósticos de 15 instituições financeiras variaram de 0,76 a 0,92 por cento de alta.

O Índice de Preços por Atacado (IPA) avançou 1,42 por cento em outubro, depois da alta de 1,83 por cento no mês anterior. Os preços agrícolas no atacado, que subiram 5,57 por cento em setembro, desaceleraram a alta para 4,57 por cento neste mês. Alguns analistas esperavam que o preços dos agrícolas no atacado subissem menos de 4 por cento no mês.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,28 por cento, frente ao ganho de 0,21 por cento em setembro. Mais uma vez, os preços do grupo Alimentação foram as principais razões para a aceleração, segundo informou a FGV, especialmente nas taxas de variação dos chamados alimentos in natura.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou uma alta de 0,49 por cento, depois da alta de 0,39 por cento no mês passado.

No ano, o IGP-M acumula alta de 5,16 por cento. Nos últimos 12 meses o avanço foi de 6,29 por cento.