Siderúrgica do Maranhão volta à pauta da Vale

RIO, 24 de abril de 2007 - A Companhia Vale do Rio Doce e a siderúrgica chinesa Baostell vão iniciar negociações com o novo governo do Maranhão para a construção da usina de 3,7 milhões de toneladas de aço que ambos planejam operar no estado. Fora de cena há cerca de um ano, a siderúrgica do Maranhão voltou à pauta dos investidores depois da troca de governo. A Vale espera chegar a um acordo sobre a definição do terreno e das licenças ambientais.

"Houve uma mudança no governo, então nós podemos recomeçar as negociações", informou Pedro Gutemberg, diretor do departamento de tecnologia de ferrosos da Vale, nos bastidores de uma conferência de aço organizada pelo Metal Bulletin, em Pequim. Com custo estimado em US$ 1,5 bilhão, o projeto estava suspenso, ao menos pela parte dos chineses - que detém 90% da parceria - por causa de preocupações ambientais e tributárias.

A usina, cuja produção na segunda fase subirá para 7,5 milhões de toneladas, será o maior projeto de produtos de aço semi-acabado do Brasil.

Jackson Lago (PDT) assumiu o governo do Estado do Maranhão em janeiro deste ano, substituindo Roseana Sarney. A família Sarney e seus aliados controlaram o estado durante quatro décadas antes da vitória de Lago nas eleições de outubro do ano passado.

(Sabrina Lorenzi com agências internacionais - InvestNews)