Governo poderá acionar plano para suprir gás da Bolívia

Agência Brasil

RIO - O governo brasileiro avalia a possibilidade de acionar, na próxima quinta-feira, 26 de abril, um plano de contingência para minimizar os efeitos da redução do fornecimento de gás natural para o Brasil, caso a crise na Bolívia não chegue a um bom termo este final de semana. A afirmação é do ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau.

Ele informou ter mantido contato telefônico pela manhã com o ministro de Hidrocarbonetos boliviano, Carlos Villegas, e que este lhe afirmou que o fornecimento ao mercado brasileiro será prioridade durante o período de crise.

Segundo Rondeau, em um primeiro momento, não há qualquer possibilidade de o consumidor brasileiro vir a ser prejudicado pela redução no fornecimento de gás natural ao país, em razão de protestos de camponeses em províncias do sul da Bolívia e que reduziu à metade a produção do campo de San Alberto, operado pela Petrobras.

- Os consumidores finais são prioridade no plano de contingência e seriam os menos atingidos, afirmou.

O ministro disse, ainda, que a prioridade inicial do governo boliviano é garantir o abastecimento do seu próprio mercado, em seguida é a de atender ao mercado brasileiro e depois o da Argentina .

Rondeau adiantou, ainda, que a ocupação de uma das instalações que separa o condensado do gás natural na Bolívia está reduzindo a produção de gás no campo de San Alberto. Dos 10 milhões de metros cúbicos diários de gás natural retirados do campo, somente 3,2 milhões estão sendo extraídos .

Em conseqüência desta redução, ainda segundo Rondeau, a Bolívia teve que reduzir parte do fornecimento de 5 milhões de metros cúbicos do produto disponibilizados diariamente para a Argentina. Também foi suspenso o fornecimento de 1,2 milhões de metros cúbicos importados pela Shell para atender o mercado de Cuiabá no Mato Grosso; e outros 600 mil metros cúbicos importados pela BG para atender ao mercado da Congas, em São Paulo.

- O fornecimento de gás para a Petrobras não foi, até agora, absolutamente afetado pela crise, garantiu o ministro. Segundo ele, o governo brasileiro mobilizou desde quinta-feira, 19 de abril, a equipe que trata do Plano de Contingência.

- Ainda não houve necessidade de ativar o plano, mas estamos trabalhando para garantir que, em caso da situação não se normalizar até o próximo domingo nós teremos mais quatro dias para acionar o plano de contingência, informou.