ASSINE
search button

Mesmo com realização, índice tem ganho na semana

Compartilhar
SÃO PAULO, 24 de novembro de 2006 - Depois de registrar o 24º recorde do ano ao ultrapassar os 42 mil pontos, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) registra uma sessão de realização de lucros. O Ibovespa fechou em baixa de 0,74%, aos 41.758 pontos. O giro financeiro ficou em R$ 2 bilhões. Apesar da queda, o indicador registra a quinta semana consecutiva de valorização, avançando 1,77%. O ganho do mês está em 6,35% e no acumulado do ano a alta é de 24,81%.

De acordo com Edson Marcelino, diretor de renda variável da corretora Finabank, o movimento é normal e não muda a tendência de alta do mercado, que deve se manter por volta dos 42 mil pontos até o final do ano.

Na visão de Marcelino, o mercado deve manter os ganhos em 2007. "Acredito que se continuar a queda nos juros e o governo demonstrar uma certa eficiência no controle do orçamento, a Bolsa continuará subindo, podendo encerrar o ano entre 50 mil e 55 mil pontos", avalia. No entanto, o especialista destaca que não podemos deixar de considerar o cenário externo, que tem que se manter propício, sem nenhum evento que traga prejuízo às economias emergentes. Outra tendência que deve se manter no ano vem é o crescente número de Ofertas Públicas Iniciais. Neste ano foram 26 ofertas que movimentaram mais de R$ 24 bilhões, contra 19 realizadas em 2005, de acordo com dados da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Na avaliação do diretor, o pacote de medidas anunciado pelo Governo para acelerar o crescimento é uma sinalização positiva, pois abre espaço para o investimento da iniciativa privada. As medidas representarão um corte de R$ 10 bilhões a R$ 12 bilhões na tributação. "O único problema é de onde virão os recursos", avalia. O governo indica que buscará puxar pelo lado das receitas, elevando a eficiência da arrecadação. "Mas isso não acontece da noite para o dia."

No âmbito corporativo, destaque para as ações do Submarino (SUBA3), que avançaram 6,89%, para R$ 64,99. O papel fecha a semana com alta de 34%. As ações ainda refletem o anúncio de fusão com a também varejista online Americanas.com. Aprovada a fusão em assembléia, os acionistas do Submarino receberão cerca de R$ 9 por ação em dividendos. O negócio anunciado ontem cria a terceira maior empresa do setor no mundo, atrás apenas da Amazon.com e da Barnes&Nobles.com. As ações das Lojas Americanas (LAME4), controladora da Americanas.com, subiram 4,7%, para R$ 104,70.

Forte queda para as ações da Telemar (TNLP3), que caíram 4,44%, para R$ 69,65. O papel PN (TNLP3) recuou 3,39%, para R$ 32,46.A segunda assembléia para votar a reestruturação não saiu por falta de quórum. A reunião agendada para hoje falhou novamente em reunir 50% das ações PN. De acordo com a Telemar, estavam presentes 57,89 % das ações ON e 35,25 % das PN. Na terceira assembléia, marcada para segunda-feira, apenas 25% das ações PN precisam estar presentes para aprovação do processo, que busca unificar as empresas do grupo, criando a OI Participações.

Ainda no setor de Telecom, as ações ON da TIM avançaram 2,58%, para R$ 11,90, enquanto as PN (TCSL4) caíram 2,13%, para R$ 7,35. Seguem os rumores sobre a venda, e agora o grupo do investimento Blackstone também poderia ser um dos compradores da Telecom Itália. De acordo com o diário italiano Il Messaggero, o presidente do Blackstone Group, Tony James e o presidente da Pirelli, Marco Tronchetti Provera, tiveram encontros que podem levar à venda de uma participação na Olímpia SpA, empresa que tem 18% da Telecom Itália.

(Eduardo Campos - InvestNews)