Editorial

Ligação direta Rio-Nova York ANTEONTEM, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, teve um encontro com seu colega nova-iorquino, Michael Bloomberg. Incumbidos pelas populações das duas metrópoles de administrarem suas dores e seus prazeres, ambos certamente têm muito a trocar em informações e experiências. Paes queria saber mais sobre o sistema telefônico de ouvidoria da prefeitura de Nova York. Por um único número, os cidadãos podem reclamar de qualquer um dos serviços prestados pela equipe de Michael Bloomberg. O prefeito do Rio, há tempos, quer introduzir sistema semelhante no Rio, onde a profusão de telefones deixa o contribuinte atordoado na hora de reclamar. Já de cabeça quente, o carioca ainda precisa descobrir quais os números certos para pedir uma troca de lâmcipal no número 746, o que corresponde às teclas das letras R, I e O nos aparelhos telefônicos, não por acaso o nome da cidade em questão. Por uma determinação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), porém, o prefeito terá que incluir o numeral 1, surgindo assim o 1746, que, a partir de pada na rua, a pavimentação de um buraco, ou a presença de uma equipe do choque de ordem. Quando completou cem dias de governo, em março de 2009, Paes revelou em primeira mão ao Jornal do Brasil , em entrevista exclusiva, que unificaria todo o teleatendimento muni2011, será o telefone oficial de toda a prefeitura. Bloomberg, no entanto, advertiu o prefeito do Rio: – Você vai começar a apanhar (pelo telefone) , e isso vai obrigá-lo a fazer as coisas melhor. Sábias palavras do alcaide nova-iorquino. Com a facilidade do número unificado, devem crescer em proporção geométrica as reclamações. Precisará aumentar também, e muito, a capacidade da prefeitura carioca de responder satisfatoriamente às demandas. Paes já anunciou que premiará os funcionários que resolverem a maior quantidade de problemas apresentados pelo cidadão. Mas isso não basta. É preciso que todos os órgãos municipais sejam modernizados e aparelhados para que seus desempenhos sejam melhores a cada dia, dando margem a menos reclamações. Ao unificar o seu teleatendimento, a prefeitura carioca assume o desafio de melhorar