Roxette promove balada romântica e contagia apaixonados em SP

SÃO PAULO - Se você tem mais de 25 anos, provavelmente já deve ter se valido de alguma canção do Roxette para conquistar ou impressionar uma garota no primeiro encontro, curtir a famosa "fossa" de fim de relacionamento ao som de uma das baladas românticas ou simplesmente se descabelar com o pop rock descontraído da dupla. Pois foi este mix de sensações que se instaurou na noite desta quinta-feira no Credicard Hall, em São Paulo, durante a apresentação dos suecos.

O show, previsto para as 21h30, começou às 21h47. A banda mal havia subido ao palco e os fãs já tinham iniciado a sessão de gritos e assobios. Para abrir a noite, Dressed For Success, do álbum de estreia Roxette Look Sharp (1988), música responsável por colocar os ânimos dos 6938 pagantes ainda mais em êxtase.

Os cantores Marie Fredriksson e Per Gessle fizeram uma generosa passagem pelos 12 álbuns lançados até hoje, contemplando toda a história da dupla. Os fãs que acompanham o trabalho dos suecos simplesmente deliraram ao ouvir um apanhado da carreira de seus astros.

Com mais de 20 anos de estrada, os dois provaram que o casamento de suas vozes não enfrenta crise. No entanto, Marie ainda sofre sequelas do tumor cerebral que teve em 2002. Os gritos agudos e a voz imponente que costumamos ouvir nos CDs já não ecoam como antigamente e em diversos momentos do show ela teve que recorrer à ajuda de sua back vocal para tapar os buracos nas músicas com as altas e extensas notas. Para não fazer feio e deixar a impressão de desafino, Marie acabou, por muitas vezes, trocando a entonação dos versos, o que não diminuiu o brilho do espetáculo.

Bastante contida, Marie evitou grandes movimentações no palco, enquanto Per parecia ter tomado a poção da juventude e resgatado seus 15 anos de idade, pois sua alegria saltitante contagiou por vezes parte do público que não sabia que música estava sendo apresentada no momento, pois houve quem estivesse no local na esperança de ouvir um compilado das baladas românticas da carreira da dupla, estilo que a tornou conhecida no mundo inteiro.

Marie e Per ficaram embasbacados ao verem os fãs cantando em coro os hits It must have been Love e Spending My Time. Nestas duas, eles deixaram o vocal ao cargo da plateia, que conduziu a melodia e arrancou sorrisos dos músicos, que pareciam não acreditar na cena.

Para a decepção de alguns, o show não se resumiu às músicas presentes no Roxette Balad Hits (2002) e Roxette The Pop Hits (2003) e percorreram pelos outros álbuns, inclusive o Roxette Charm Scholl, lançado em 2010 somente com inéditas.

Mesmo com um cardápio diversificado, que contemplou até aqueles que se autodenominaram "cafonas" por gostar do romantismo sueco, a dupla manteve o controle sobre seus fãs, que se entregaram logo na primeira música e ficaram à mercê das emoções propostas, sem esboçar arrependimento nas quase duas horas de show.

Às 23h36 eles encerraram a apresentação após duplo BIS, totalmente necessário devido ao fato de colecionarem músicas que emplacaram nas trilhas de filmes e novelas nacionais, os músicos se despediram dos fãs, mas demoraram para sair do palco, esboçando certa dificuldade para dizer "tchau" ao público.

Marie deixou o palco como uma miss: vestida com uma faixa de duas faces, uma com a estampa brasileira e a outra sueca, além de estar carregada de buquês de flores, distribuindo beijos aéreos para quem os quisesse pegar.