Guitarrista Slash diverte fãs em show no Rio

RIO - Pontualmente às 21h30, Slash e sua banda entraram no palco do Vivo Rio, na Zona Sul carioca, nesta quarta-feira, para o único show na cidade da turnê We'll All Gonna Die. Como já era esperado, o repertório teve um pouco de músicas dos tempos de Slash no Guns N' Roses, além de canções do álbum solo do guitarrista.

Uma caveira, iluminada por luzes laranjas, vermelhas e lilás, era o cenário que estava atrás dos músicos, todos bem simpáticos e comunicativos. O público fez a sua parte: chegou no horário correto, cantou, pulou e certamente curtiu os longos solos de Slash. Formado boa parte por jovens, muitos fãs vestiam camisas pretas ou xadrez e jeans surrado. Quem preferiu estrear a camisa da turnê precisou desembolsar R$ 70 por cada modelo que era vendido na casa de shows.

De acordo com os organizadores do evento, o público estimado era de 2.500 pessoas, que sentiram que o show seria vibrante ao ouvir os primeiros acordes de Ghost. "Boa noite, Rio! Vocês estão prontos para uma noite de rock n' roll?", perguntou o vocalista Myles Kennedy.

Slash surgiu bem a caráter: óculos escuros, cartola e colete pretos e blusa justa branca. Em alguns momentos, ele se aproximou relativamente próximo do público, para alegria daqueles que estavam perto do palco, na pista vip, e tinham máquina de fotografar.

O Vivo Rio voltou a tremer com as músicas Night Train e Rocket Queen, assim como em Civil War, cantada a plenos pulmões pelos mais aficionados. Starnight, do novo CD, também fez sucesso. Cerca de 60 minutos após o início do evento, Slash foi ao microfone para dizer que a banda cantaria a canção que dá nome à turnê.

Em sua jam session, o guitarrista presenteou os admiradores por quase dez minutos, acompanhado pelos músicos da banda. Após os aplausos, foi a vez de relembrar o hit Sweet Child O' Mine, mais uma música do repertório que ganhou a simpatia dos presentes.

Na hora do tradicional bis, Slash retornou ao palco sem camisa, exibindo várias tatuagens no abdômen. Ele disse que seu português não é bom, mas que tem boas lembranças quando esteve no Rio pela primeira vez, em 1991. "Muito obrigado por virem ao show", agradeceu.

Logo em seguida, já em tom de despedida, Myles Kennedy fez uma declaração de amor ao Rio antes de cantar Paradyse City. "Nós tocamos esta canção em várias partes do mundo, mas aqui é especial, pois aqui é o paraíso. Somos sortudos de estar aqui", disse.

A banda acenava para o público, quando um fã decidiu invadir o palco, mas foi logo retirado do local pelos seguranças. O Slash segue para São Paulo, onde se apresenta nesta quinta-feira.