X-9 Paulistana levará mundo infantil ao Anhembi com homenagem a Didi

Um passeio pelo barracão da X-9 Paulistana não deixa dúvidas de que o universo infantil, lúdico e a cartela de cores do arco-íris marcarão o desfile deste ano. Com 3,5 mil componentes, 26 alas e cinco carros alegóricos, a agremiação fundada em 1975, na Zona Norte de São Paulo, faz homenagem ao humorista Renato Aragão no enredo De Eterna Criança a Embaixador da Esperança... Renato Aragão, Didi Trapalhão!.

Enquanto trabalha em fantasias de um carro alegórico, o carnavalesco Rodrigo Cadete conta que a maior surpresa que a X-9 traz este ano é a mudança na estética da escola campeã do Carnaval paulista em 1997 e 2005. "Estamos desenvolvendo uma plástica com toque infantil, que se diferencia do que a agremiação já fez e também do Carnaval em geral. Será um desfile que as crianças vão gostar de ver por causa das cores", diz. Ao lado dele na mesa do ateliê, instalado no barracão, cerca de cinco ajudantes também confeccionam fantasias.

O carnavalesco Flávio Campello adianta outra novidade que a X-9 vinha guardando a sete chaves: "o 4° carro alegórico é nossa grande aposta e será uma surpresa em vários momentos do desfile".

Enquanto isso na parte de fora do barracão, outros integrantes da escola trabalham sem descanso nos cinco carros alegóricos que serão levados para a avenida. A estrutura está quase toda pronta, faltam apenas detalhes e o acabamento final. Desde setembro de 2010, a equipe vinda de Parintins (AM) está morando no barracão para montar os carros.

Apesar de o trabalho parecer adiantado, Rodrigo Cadete faz questão de salientar que a escola está no prazo: "nunca podemos dizer que estamos adiantados porque até o momento de entrar na avenida ainda teremos coisas para fazer, seja na alegoria ou nas fantasias".

Didi, Trapalhão 
Depois de abordar a história da dupla sertaneja Chitãozinho & Xororó com enredo vice-campeão de 2005, Chitãozinho e Xororó - Nascemos para Cantar e Também Sambar, a X-9 Paulistana presta uma homenagem ao Trapalhão Didi. Segundo Flávio Campello, o artista foi escolhido porque completa 50 anos de carreira com uma idoneidade ímpar. "Isso é muito raro hoje em dia. É um presente maior para gente do que para o Renato. O fato de ele estar sempre apoiando a escola, vestindo a nossa camisa, tem sido super gratificante".

A presença de Renato Aragão já está confirmada para o ensaio técnico do dia 26 de fevereiro. "Ele vai brindar com a gente o finalzinho de trabalho para dar uma animada na comunidade", afirma Flávio, com empolgação. O carnavalesco não esconde a admiração que sente pelo humorista. "O Renato é um cara que tive a honra e o prazer de conhecer. Ele foi a maior surpresa da minha vida por ser tudo aquilo que encanta todo mundo", diz. A agremiação convidou mais 30 personalidades que fizeram parte da carreira e vida pessoal do humorista, como o outro Trapalhão, Dedé Santana.

O carnavalesco conta que Renato Aragão aceitou, imediatamente, o convite feito pela escola. "A partir disso, eu e o Rodrigo começamos a desenvolver o enredo. Criamos uma história na qual Renato Aragão é o personagem principal, e, no final do desfile, a X-9 coroará o humorista como embaixador da esperança", relata. Rodrigo acrescenta que o enredo foca o que Renato Aragão representa hoje, como embaixador da Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância).

Universo lúdico 
Didi inspirou a criação de um mundo mágico e encantado que poderá ser visto no sambódromo. "O universo infantil é o pano de fundo e permeia todo o desfile, porque acreditamos que Renato é uma eterna criança e o embaixador da esperança", afirma Rodrigo.

Todo esse universo infantil estará presente, inclusive, nas fantasias que têm uma plástica diferenciada, algumas em formato de desenho animado. "As pessoas vão sentir esse diferencial na avenida. Usamos muitas cores cítricas e também brincamos com a cartela do arco-íris", diz o carnavalesco.

Ele explica que até as fantasias da rainha e madrinha da bateria da escola, Joana Machado e Adriana Bombom, respectivamente, que são criadas em ateliês particulares, devem respeitar a ideia do enredo. "A gente só diz como tem que ser e elas confeccionam. Dentro deste enredo, a gente pediu para que não haja excesso de nudez", conta Rodrigo. "Nosso desfile terá muita sensualidade sem erotismo. Estamos fazendo um Carnaval para que os adultos se sintam crianças", garante Flávio.