Morre o fundador da revista Penthouse

Bob Guccione tinha 79 anos

       NOVA YORK - Morreu aos 79 anos, de câncer de pulmão, Bob Guccione, fundador da revista 'Penthouse', que editou e comandou até sua aposentadoria em novembro de 2003. Considerado um dos homens mais ricos do mundo na década de 80 pela revista Forbes, Guccione começou a editar a Penthouse em 1965 na Inglaterra, estreando sua publicação nos Estados Unidos em 1969, numa tentativa de competir com a maior revista masculina do país, a Playboy.

O estilo de sua revista era de textos mais sensacionalistas e apimentados, com fotografias de nus femininos mais ousados e, no princípio, fotografados por ele mesmo, um fotógrafo até então sem sucesso, num estilo de imagens difusas, com filtros, que se tornaria a marca registrada da revista nos anos vindouros.

Com o sucesso da publicação, que durante alguns anos chegou a ter uma tiragem superior à Playboy, Guccione passou a viver uma vida de luxos, morando numa mansão de trinta quartos, considerada a maior da ilha da Manhattan. Seu ápice de vendas foi em 1984, quando comprou e publicou antigas fotos nuas da então Miss Universo, a negra norte-americana Vanessa Williams, (primeira negra a conquistar o título de Miss Universo) o que causou à ex-modelo um escândalo nacional e a perda da coroa.

Além de diversificar seu negócio, investindo em cinema com a produção do filme pornográfico Calígula, uma produção de longa metragem cara e com pretensões a filme erótico de arte, com atores do calibre de Malcolm McDowell, Peter O’Toole e Helen Mirren nos papéis principais e uma legião de modelos da Penthouse como figurantes das cenas de sexo explícito do filme, em fins dos anos 70, a editora de Guccione também passou a publicar revistas dedicadas à ficção científica como Omni e à música, como Spin.

Com o advento e a popularidade da concorrente Hustler, ainda mais ousada, investimentos mal feitos em cassinos e a popularização de pornografia gratuita na Internet, Guccione viu-se com graves problemas financeiros e foi obrigado a se desfazer de sua mansão e suas obras de arte para pagar as dívidas, que o acabaram levando à falência em 2003, quando renunciou à direção do grupo Penthouse, que continuou editando a revista, mas com uma tiragem mensal de apenas 500.000 exemplares, um décimo das vendas em seu auge.