Drama familiar deixa mercado financeiro de lado em 'Wall Street 2'

Enquanto nos anos 80 para se ganhar dinheiro fácil - e ilegal - no mercado financeiro norte-americano era preciso saber demais, hoje basta ter habilidade de contar boas histórias que se passem por verdades. Ao menos é o que mostra Oliver Stone em Wall Street - O Dinheiro Nunca Morre, continuação do sucesso de 1987. No primeiro filme, Wall Street - Poder e Cobiça, Gordon Gekko (Michael Douglas) é o investidor que usa a informação privilegiada para enriquecer. Em muito a sequência pode ser vista como uma homenagem ao primeiro, como quando o corretor Bud Fox (Charlie Sheen) faz uma aparição. Mas, desta vez, Gekko não está mais por cima. Recém-saído da cadeia, ele parece querer somente recuperar o amor da filha Winnie (Carey Mulligan), que nem era nascida na época de Fox. Para isso, o ex-investidor conta com a ajuda do genro, o corretor de ações Jacob (Shia LaBeouf). Para conquistar Jacob, Gekko ajuda na luta contra seu ex-sócio, o poderoso investidor Bretton James (Josh Brolin), que espalhou boatos que levaram à destruição a empresa onde o jovem trabalha, resultando no suicídio do mentor do garoto. Todo o pano de fundo do filme fica em torno das bolhas financeiras, criadas por estas especulações que têm em Bretton seu maior defensor. Oliver Stone tenta deixar claro isso durante toda a projeção, com cenas de crianças brincando de bolhas de sabão à exaustão, dando sensação de menosprezo ao espectador. O mesmo acontece ao contar a história. Em vez de focar na questão financeira com o drama familiar como pano de fundo, como aconteceu em 1987, é a relação entre Gekko, Winnie e Jacob que dá o tom do longa-metragem, como se entendesse que um filme sem uma história de amor não é mais possível. Assim como para o investidor, na visão de Oliver Stone para o cineasta também mudou a forma como se obtém sucesso fácil. Se nos anos 80 ele usou a informação - do mercado financeiro, em parte aprendida através de seu pai, corretor da bolsa -, desta vez ele apenas quis contar uma boa história.