Jornal do Brasil

Cultura

Ithamara Koorax mostra ecletismo em seu mais novo trabalho

Cantora lança CD "All around the world", gravado em turnê internacional, na Sala Baden-Powell

Jornal do Brasil AFFONSO NUNES, affonso.nunes@jb.com.br

A cantora Ithamara Koorax sobe neste sábado, 15, o palco da Sala Baden-Powell para apresentar o show de lançamento do CD “All around the world”, gravado ao vivo durante turnê pelos Estados Unidos, Europa e Ásia. Ithamara e seu trio – Paula Faour (piano), Jorge Pescara (baixo) e Cesar Machado (bateria) – tocarão músicas do novo trabalho além de temas de Tom Jobim, Miles Davis, Michel Legrand e Chopin. O ecletismo é uma marca do trabalho da artista, que rejeita solenemente o rótulo de cantora de jazz. “Eu amo jazz, mas não acho justo o rótulo que, às vezes, me atribuem”, desabafa. “O meu público já se acostumou a isso, é um público fiel, que sabe que estará indo assistir a um “show da Ithamara, e não a um show somente de MPB ou somente de jazz”, completa.

O novo trabalho, segundo a cantora, está sendo bem aceito pela crítica em função de seu formato. “O “All around the world” vem sendo saudado como um trabalho inovador por conta de ter sido gravado em vários países. Sempre gostei de me aventurar por projetos desafiadores”, explica. A idéia, revela, partiu da gravadora coreana a representa na Ásia. O repertório inclui Jimi Hendrix (“Up from the skies”), Tom Jobim (“Ela é carioca”), Marvin Gaye (“What’s goin’ on?”), Dorival Caymmi (“Cala boca menino”). “É o tal conceito de música universal, que domina o show, onde ainda entram Domenico Modugno (“Dio come ti amo”). Lulu Santos (“Aviso aos navegantes”), Bach (“Ária na corda sol”), Johnny Mandel (“The shadow of your smile”), Richard Rodgers (“My favorite things”), Toquinho (“Que maravilha”) e Jorge Benjor (“Mas que nada”). É uma delícia ter essa liberdade, sem estar presa a idiomas, modismos ou estilos e, muito menos, a uma ditadura estética. Vivemos um momento muito perigoso de radicalismos”, comenta.

Mas será que tanta diversidade de repertório não transforma os shows numa salada musical sem pé nem cabeça? “Não fica esquisito, muito pelo contrário. O roteiro, assinado pelo Arnaldo DeSouteiro que trabalha comigo há 28 anos, une tudo com tremenda naturalidade. As músicas vão se sucedendo de forma orgânica, e lá pela quarta ou quinta canção eu e a plateia já estamos juntas numa viagem sem fronteiras pelo mundo dos sons. É aquilo que o Tom Jobim me dizia: ‘os homens fazem as fronteiras, as cercas, os muros, mas os pássaros ignoram tudo e passam por cima’”, argumenta a cantora.

-----------

Serviço

Show de Lançamento do CD “All around the world” - Ithamara Koorax

Local: Sala Municipal Baden-Powell (Av. Nossa Senhora de Copacabana, 360 – Copacabana. Tel: (21) 2547-9147)

Horário: 20h

Preço: R$ 60



Recomendadas para você