Saúde & Alimentação

Por Wilson Rondó Júnior

[email protected]

SAÚDE E ALIMENTAÇÃO

Dieta carnívora: é possível sem vegetais ?

Publicado em 01/01/2024 às 10:40

Alterado em 01/01/2024 às 10:52

De acordo com os adeptos da dieta carnívora, sim, é possível, pois muitos praticam esse hábito alimentar há décadas, e recentemente tem se tornado uma opção para o tratamento de doenças autoimunes, emagrecimento, diabetes e outras doenças degenerativas, por períodos curtos ou longos.

Há culturas tradicionais que consomem pouco ou nada de vegetais, e que se mantêm saudáveis.
Veja alguns exemplos:

Inuit
Os inuítes são os membros da nação indígena esquimó que habitam as regiões árticas do Canadá, do Alasca e da Groenlândia.

Consomem uma dieta rica em gorduras e proteínas, pouco carboidrato e alguns vegetais, como berries, rizomas, líquens e algas marinhas.

Fazem chás de ramos de frutas vermelhas dos pinheiros, ricos em vitamina C e polifenóis.

Masai
A tribo Masai é um grupo de seminômades que vivem no Quênia e Tanzânia, e que falam um idioma próprio.

Sua dieta é rica em gorduras e proteínas, provenientes do leite, carne e sangue.
Consomem vegetais como bananas e inhames.

Ingerem chá de ervas regularmente, além de usarem diversas plantas medicinais.

Sami
Os Sami são pastores de rena do Norte da Escandinávia. Hoje encontram-se espalhados por quatro países: Noruega, Suécia, Finlândia e Rússia, onde são cidadãos com direito à educação, serviços sociais, liberdade religiosa e participação no processo político, ao mesmo tempo que preservam e defendem sua identidade étnica e cultural.

Consomem também uma dieta rica em proteínas, gorduras de carne, peixe e leite.

Em termos vegetais, especialmente berries e cogumelos.

Com certeza, nós precisamos consumir vegetais, mesmo só em pequena quantidade, pela presença de micronutrientes, polifenóis e compostos medicinais.

Micronutrientes de origem animal
Os animais fornecem todos os micronutrientes que uma pessoa precisa, pois os produtos animais contêm a maioria dos alimentos densos em nutrientes disponíveis.

Consumir carnes de animais criados à pasto, orgânicos, é o que podemos ter de melhor, já que não conseguimos animais selvagens, como os nossos ancestrais.

Sua proteína e gordura é rica em antioxidantes provenientes das plantas que os animais nessas duas condições conseguem ingerir.

Apresentam alta concentração de nutrientes precursores de vitaminas e um perfil de ácidos graxos, o mais favorável possível, quando comparado com os de animais criados confinados.

Mas lembre-se: é importante estar consumindo não só as carnes provenientes de músculos, mas os miúdos também.

Ou seja, usar o animal inteiro, da cabeça aos pés.

Assim, terão a melhor e única fonte de vitamina A (retinol), ômega 3 e vitamina B12, assim como a colina, creatina, carnosina, l-glicina entre outros.

Apesar de ser uma alimentação carente em vegetais a princípio, acabam recebendo nutrientes que são de origem vegetal, pois lembre-se que estes animais ingerem isso nas pastagens ou animais que consomem:

- Eletrólito importante que regula a pressão, rico em frutas cítricas, abacate, vegetais escuros e bananas, mas saiba que a carne contém potássio também, mas presente no seu suco.

- Magnésio, envolvido em centenas de funções fisiológicas, que se absorve proveniente das pastagens que esses animais ingerem.

O mesmo vale para o folato.

 

Referências bibliográficas:

- Paul Saladino, MD; The Carnivore Code. 2020
- Shawn Baker; The Carnivore Diet. 2019
www.drrondo.com/dieta-carnivora-a-salvacao-da-saude-2/

Dr. Wilson Rondó Jr.
CRM RJ 52-0110159-5
Cirurgião Vascular de formação e Nutrólogo
Registro nº 058357

 

Tags: