Aquela música que não sai da sua cabeça faz bem!

.

JB
Credit...JB

Sabe aquela música que de vez em quando volta à sua mente... E você não sabe de onde saiu? Quase todo mundo já passou por isso, e as pessoas geralmente se perguntam por que esse som aparece do nada. Alguns chegam a achar irritante! Mas, segundo a ciência, essa é uma ferramenta importante do nosso cérebro.

Pesquisadores da Universidade da Califórnia resolveram investigar o assunto. Pra isso, eles fizeram testes com voluntários, que precisaram assistir a trechos de filmes desconhecidos – ora sem, ora com música de fundo. Para alguns dos participantes, o processo era repetido, e eles ouviam a mesma música várias vezes. Depois, eles precisavam relatar os detalhes que se lembravam do que tinham assistido.

E os resultados foram claros... Quanto mais uma música é “tocada” na cabeça de uma pessoa, mais precisa se torna a memória da música... E mais detalhes a pessoa se lembra da seção específica do filme com a qual a música foi combinada! É isso que explica por que todos nós temos uma canção que representa um momento importante da vida... Toda vez que você a escuta, lembra de detalhes desse período especial.

Segundo os pesquisadores, esse achado é importante porque confirma que a música é um mecanismo que pode ajudar a manter as nossas memórias. Ela ajuda a preservar tanto as experiências recentes quanto a memória de longo prazo, gerando uma espécie de efeito protetor do cérebro.
Fantástico, não é mesmo?

Outros benefícios da música
Se você gosta de música, com certeza seu cérebro e todo o seu corpo podem se beneficiar de inúmeras formas diferentes. E tanto faz se você toca algum instrumento ou simplesmente gosta de ouvir suas canções favoritas. Veja:

1 – Tocar um instrumento é bom para o cérebro
Segundo estudos, ao tocar qualquer instrumento, suas ondas cerebrais se alteram e melhoram sua audição e percepção. Essa é uma boa notícia para quem teve algum dano cerebral, como derrames, ou simplesmente quer deixar a mente mais afiada.

2 – Proteção contra demências
Outra pesquisa demonstrou que pessoas que tocam instrumentos precisam de menos esforço mental de quem não é músico, ainda que seja para realizar a mesma tarefa. Os pesquisadores comentam que esse é um importante fator protetor contra o declínio cognitivo e demências, como o Alzheimer.

3 – Proteção cardiovascular
Testes em pessoas hipertensas mostraram que elas tiveram redução no ritmo cardíaco depois de ouvirem música clássica. Uma boa notícia para quem tem pressão alta!

4 – Proteção contra epilepsia
Você já ouviu falar do “efeito Mozart”? Vários estudos confirmam que pacientes com epilepsia que ouvem as músicas clássicas desse compositor têm menos crises epiléticas e reduzem a frequência da atividade cerebral.

A hipótese é de que as sonatas de Mozart tenham estruturas rítmicas que impactam direto em certos sistemas cerebrais, mas a ciência ainda precisa de mais pesquisas para uma confirmação...
É incrível como nossa mente e nosso corpo respondem à música! Então, fica a dica: faça do som o seu remédio!

Supersaúde!
_______


Referências bibliográficas
•Journal of Experimental Psychology: General, 2021; DOI: 10.1037/xge0001050.
•Journal of Neuroscience 14 June 2017, 37 (24) 5948-5959.
•Alain, C. , Khatamian, Y. , He, Y. , Lee, Y. , Moreno, S. , Leung, A. W. Ann. N.Y. Acad. Sci., 1423: 435-446.
•Música Clássica tem Efeitos Positivos no Combate à Hipertensão – www.DrRondo.com
•Será que Mozart pode Ajudar no Tratamento da Epilepsia? – www.DrRondo.com

Dr. Wilson Rondó Jr.
CRM RJ 52-0110159-5
Cirurgião Vascular de formação e Nutrólogo
Registro nº 058357