O Outro Lado da Moeda

Por Gilberto Menezes Côrtes

[email protected]

O OUTRO LADO DA MOEDA

Comércio turbina PIB de 2023?

Publicado em 17/01/2024 às 16:53

O crescimento de 0,1% no volume de vendas do varejo em novembro sobre outubro (que tinha tido queda de 0,3% em outubro, na série com ajuste sazonal do IBGE) surpreendeu o mercado financeiro. A LCA Consultores esperava retração de 0,7% no varejo restrito e igual resultado para o varejo ampliado, que inclui o comércio de veículos, motos e autopeças, além de material de construção e o chamado atacarejo. O mês de novembro teve indicadores contraditórios com a Black Friday não repetindo expansão de anos anteriores. E dezembro indicou pequena reação, pois o consumidor aguarda queda mais sensível dos juros bancários.

Frente a novembro de 2022, o volume de vendas do comércio varejista cresceu 2,2%, sexta variação positiva consecutiva. O acumulado do ano chegou a 1,7% e o acumulado nos últimos 12 meses, a 1,5%. No comércio varejista ampliado, que inclui veículos, motos, partes e peças e material de construção, o volume de vendas variou 1,3% em novembro. A média móvel foi de 0,4%. O acumulado no ano foi de 2,6% % e o acumulado em 12 meses, de 2,3%.

Bradesco e Itaú, que agilizaram as análises de seus departamentos técnicos, já produziram informes sobre o resultado divulgado pelo IBGE.

A visáo do Itaú

“Varejo ampliado expandiu 1,3% na margem em novembro”

“Em novembro, as vendas no varejo ampliado subiram 1,3% no comparativo mensal com ajuste sazonal (+4,3% a/a), próximo da nossa projeção (+1,0% m/m), mas acima da mediana das expectativas de mercado (+0,5% m/m). As vendas no varejo restrito expandiram 0,1% no comparativo mensal com ajuste sazonal (+2,2% a/a), em linha com a mediana das expectativas de mercado (+0,1% m/m), mas abaixo da nossa projeção (+0,3% m/m).

A maior surpresa negativa no varejo restrito foi em "Hiper, supermercados" (5,0% vs. expectativa de 6,2% na comparação interanual). [a escalada da inflação de alimentos para o Natal explica a retração do consumidor]. No varejo ampliado, a maior surpresa positiva foi em "Veículos e autopeças" (16,9% vs. esperado de 9,6% na comparação interanual).

Dos 10 setores, 8 avançaram na margem. O destaque positivo no mês foi "Veículos e autopeças" (+4,0% no mês), enquanto o destaque negativo foi "Artigos farmacêuticos" (-1,6% no mês). Com o dado de hoje, o carrego estatístico para o quarto trimestre de 2023 ficou em 0,1% (índice restrito) e 1,0% (índice ampliado).

Para o Itaú, em novembro, “a surpresa positiva foi concentrada no índice ampliado, em especial, na categoria de "Veículos e autopeças". Para dezembro, nosso indicador diário de atividade (IDAT-Atividade) aponta para alta no varejo restrito (e ampliado), fechando o quarto trimestre em território positivo”.

Para o Bradesco

“Dinamismo do varejo surpreendeu em novembro

As vendas do varejo ampliado avançaram 1,3% em novembro, acima das expectativas do Depec (0,0%) e do mercado (+0,5%). Em relação ao ano passado, houve crescimento de +4,3%. O carrego estatístico para o quarto trimestre ficou em +1,0%. Setorialmente, as aberturas que mais chamaram atenção foram tecidos, vestuário e calçados (+3,0%), móveis e eletrodomésticos (+4,5%) e veículos, motos, partes e peças (+4,0%)“.

Quando consideramos o conceito restrito do varejo (excluindo-se veículos, materiais de construção e “atacarejo”), o resultado também veio acima do esperado, refletindo o bom desempenho das aberturas relacionadas à “Black Friday”. O varejo mais associado ao crédito teve um avanço de 5,9% na margem.

Na avaliação do Depec Bradesco: “o resultado mostra um varejo mais dinâmico do que o esperado, voltando a ganhar força na margem”. A Pesquisa Empresarial do Bradesco “indicava um resultado mais robusto em novembro, confirmado neste dado, e também sugere resultados fortes para dezembro”. Com isso, o banco reforçou o cenário de um crescimento de 2,9% em 2023, impulsionado pelo consumo das famílias.

Em 2024, “o consumo das famílias também deve ter bom desempenho, com crescimento real da massa de renda e avanço do crédito”, assinala o Depec.

Tags: