Dicas do Aquiles

Por Aquiles Rique Reis

[email protected]

DICAS DO AQUILES

O menestrel de Pedra Azul

Publicado em 06/01/2024 às 09:35

Alterado em 06/01/2024 às 09:35

Minhas amigas e meus amigos (grato a vocês que me acompanham), hoje comentarei o CD de um compositor que eu admiro à distância e há tempos, Paulinho Pedra Azul. Nascido lá no Vale do Jequitinhonha, ele permanece em Minas Gerais escrevendo poesias e letras que seus parceiros transformam em canções.

A bem da verdade, não conheço tanto assim o seu trabalho. Lembro-me de quando ouvi a sua “Jardim da Fantasia”*, em 2012. Arrebatou-me. Quanta delicadeza em seus versos: “Bem-te-vi, bem-te-vi/ Andar por um jardim em flor/ Chamando os bichos de amor (...)”. Meu Deus!

[Paulinho Pedra Azul] Capa do CD Foto: reprodução

Pois bem, de lá pra cá, segui atento a ele. Mas o acaso fez com que, recentemente, participássemos de um mesmo grupo de WhatsApp, o “Uma Terra Só” (UTS), criado e liderado pelo gaúcho Carlos DI Jaguarão. Postadas por Paulinho, ali conheci algumas de suas novas músicas. Eis que, então, ele me enviou o seu recém-lançado álbum duplo (físico), Paulinho Pedra Azul – Coletânea – 40 Anos de Cantoria, com 40 músicas, todas com letra dele e de parceiros como Beto Lopes, Paulo Henrique, Toninho Horta, Cláudio Mourão, Gabriel Azzi de Moraes, Aroldo Araújo, Luizinho Duarte, Gilvan de Oliveira e Celio Balona, dentre outros que já citarei.

Antes de mencionar as composições, destaco o cuidado com que os mais de vinte arranjadores, com suas refinadas expressões musicais, empenharam-se e emolduraram as palavras de Paulinho Pedra Azul.
Ao ouvi-las, senti que ali estava um poeta de amor infinito, que, em suas diferentes formas, está presente em cada música que canta e toca. Assim, a audição foi como arar em terra fértil – cada enxadada, uma minhoca: 40 pujantes anelídeos, 40 letras a revelar um poeta atento ao afeto que o define.

Basta ver alguns versos presentes no CD 1, em canções como “Além do Amor” (com Sthel Nogueira, 1992): “Eu preciso encontrar uma luz de luar/ Para ser o clarão do seu coração”; “As Estações do Homem” (com Marcelo Drummond, 1997): “Primeiro deixe o amor acontecer/ Para depois surgir o homem (...)”; “Certas Paixões” (com Nonato Luiz, 2002): “Certas paixões são poemas fatais/ E as palavras não cabem no peito (...)”; ou “Declaração de Amor” (com Clóvis Aguiar, 2004): “Eu amo você/ Quero você/ Desejo você/ Só vejo você (...)”.

E no CD 2: “O Amor e a Paz” (com Maurinho Rodrigues, 1992): “Quem me ouviu cantar assim/ Vai saber como eu te amei (...)”; “O Passeio” (com Geraldinho Alvarenga e PPA, 1999): “(...) Quero te amar/ Te conhecer/ Pois é melhor do que sofrer (...)”; “Olha Pra Mim” (com Juarez Moreira, 2002): “Olha pra mim e vê/ O renascer de um aprendiz do amor (...)”; ou “Quando Vi Você” (com Marcelo Jiran, 2007): “Trago em mim agora/ A primavera que eu sonhei pra nós (...)”.

Como a força de sua terra natal, Paulinho ajunta as palavras, e é de lá o viço que lhe encharca as ideias. Brilhante é o poeta que reflete toda a sua vida numa gota d`água de Pedra Azul.

Aquiles Rique Reis
Nossos protetores nunca desistem de nós.

 

*

Tags: