Um músico do mundo

.

...
Credit......

Lembro-me bem de quando o compositor, violonista, arranjador e cantor carioca Fred Martins mudou-se do Rio de Janeiro para a região espanhola da Galícia. Passados cinco anos dessa migração, mesclando sentimentos e musicalidades, ele lançou um CD gravado em Portugal, com produção musical do pianista e arranjador açoriano Paulo Borges.

Agora Fred Martins traz a sonoridade que sempre lhe disse muito à alma: a bossa nova. Martins é um grande compositor, e também um ótimo cantor. A respiração saúda a nota que virá na próxima sílaba; sua afinação é digna de um cantor que mescla afinação com divisões rítmicas absolutamente naturais... como se fosse fácil.

Com naturalidade, Martins dá ênfase contemporânea ao canto. Ouso dizer que, assim como o norte-americano Bob Dylan, Fred Martins é um bardo merecedor de reconhecimento popular. Violões e cantares revelam o que mais têm: sinceridade e carisma para criar e expor a vida através da música.

Macaque in the trees
Fred Martins traz a sonoridade que sempre lhe disse muito à alma: a bossa nova (Foto: Divulgação)

Tudo começa com “Semente” (Fred Martins/Marcelo Diniz), quando o cello e o violão tocam a intro. Sons inquietos vem dos dois. A canção é linda: Fred Martins (voz e violão), Glenn Patscha (teclados) e Lui Coimbra (violoncelo) sobem o sarrafo, fazendo jus à medalha de ouro.

Onde também está o cello, somado às cordas do violão de Martins, sente-se que a soma das sonoridade desses instrumentos são ponto de referência nos arranjos. Suas cordas emolduram as melodias com harmonias e desenhos, ora melodiosos, ora intensos, gerando imediata empatia.

“Refém” (Fred Martins/Marcelo Diniz), Fred Martins (voz e violão), Lui Coimbra (violoncelo), (olha eles aí de novo), Glenn Patscha (teclados), Walter Areia (contrabaixo) e Chris Wells (percussão). O arranjo é digno de uma música intensa, a quem cabe reverências mil.

“Fado Crioulo” (FM/Alexandre Lemos): Glenn Patscha (teclados), Rolando Semedo (baixo) e Chris Wells (percussão). Show de Fred Martins.

“Colibri” (FM/Marcelo Diniz): Fred Martins (violão, voz e assovio), Glenn Patscha (teclados), Chris Wells (percussão). A suavidade reina.

“Blues da Madrugada” (FM/Ana Terra): FM (violão e voz ), Glenn Patscha (teclados), Walter Areia (contrabaixo) e Chris Wells (bateria). O canto é distinguido.

“Estranha Flor)” (FM/Alexandre Lemos): FM (violão e voz), Glenn Patscha (teclados), Walter Areia (baixo), Chris Wells (percussão) e Luis Coelho (guitarra portuguesa). Belo!

“Poema Velho” (FM/Manoel Gomes): FM (violão e voz). Simples, o canto solitário de Martins irradia encanto.

“Doceamargo” (FM/Marcelo Diniz): FM (violão e voz), Marcio Dhiniz (bateria) e Jaques Morelenbaum (cello). E a tampa fecha com as cordas de um instrumento que se dá a todo e qualquer arranjo.

Aquiles Rique Reis, vocalista do MPB4

Ficha técnica:
Arranjos (Fred Martins), produção musical, engenharia de som e mixagem (Hector Castillo), masterização (Dave McNAir), desenho gráfico (Bell Serra – em diálogo com a obra Mar Aberto, de Luiz Dolino); fotos (Alfredo Matos). Gravado em 2019 no Atlântico Blue Studios – Lisboa, Portugal.



...
Fred Martins traz a sonoridade que sempre lhe disse muito à alma: a bossa nova