Cientistas americanos sequenciaram genoma da Formiga Argentina

Cientistas americanos sequenciaram o genoma da Formiga Argentina, uma espécie que prolifera em numerosas partes do mundo ameaçando a biodiversidade, o que poderia permitir determinar meios para controlar seu desenvolvimento.

A pequena formiga marrom, originária da América do Sul, a Linepithema humile, seu nome científico, é muito agressiva e perturba os ecossistemas de numerosas regiões do mundo, destacam os pesquisadores.

"A Formiga Argentina é uma espécie que apresenta interesse particular para os cientistas, devido a seu enorme impacto ecológico", explica Neil Tsutsui, professor em ciências ambientais da Universidade da Califórnia, em Berkeley (oeste), um dos coordenadores do estudo que também apresentou o sequenciamento de outras espécies do inseto.

"Quando as Formigas Argentina invadem, elas devastam comunidades locais de insetos, favorecendo o desenvolvimento de populações de organismos nocivos à agricultura", precisa.

Eles enumeraram 16.344 genes da Formiga Argentina contra os 23.000 do homem.

Os dois outros sequenciamentos, que aparecem também nos Anais da Academia Nacional de Ciências (PNAS), dizem respeito à formiga vermelha Pogonomyrmex barbatus e à formiga de fogo Solenopsis invicta.