Pontas de cigarro guardadas por 24 anos ajudam a desvendar crime nos EUA

NOVA YORK - Os avanços da tecnologia permitiram que, 24 anos depois, um policial aposentado de Long Island, em Nova York, desvendasse um crime ocorrido em 1986. Na época, o detetive Tom Goodwin investigou o assassinato de Samuel Quentzel, morto a tiros dentro do seu carro, mas não conseguiu chegar aos autores dos disparos. No entanto, ele guardou quatro pontas de cigarro encontradas no local do crime.

Foi graças a esse material e com ajuda dos processos de identificação do DNA que, mais de 20 anos depois, a polícia chegou aos criminosos. Lewis Slaughter, de 61 anos, foi condenado e será sentenciado em dezembro. Ele já está preso por outro assassinato também ocorrido em 1986.

O outro assassino, Clifton Waters, morreu poucos meses depois do crime, aparentemente por causa de um acidente com uma arma de fogo. Um terceiro acusado, Roger Williams, de 48 anos, se declarou culpado e aguarda sentença.

O policial aposentado disse que, durante estes 24 anos, nunca desistiu de encontrar o responsável pelo crime. Tom Goodwin se aposentou em 2000.

Com agências