Google diz que serviços têm limite sobre privacidade

 

O CEO do Google, Eric Schmidt, afirmou, nesta segunda-feira, em entrevista a John Battelle e Tim O'Reilly no Web 2.0, que a empresa tem preocupação com a intimidade das pessoas e que não vai ousar "cruzar a linha" neste assunto. Schmidt disse que existem muitos aplicativos que eles poderiam ter desenvolvido, mas preferem não fazer.

"Existe uma linha que não podemos cruzar, como Google Maps ao vivo, que pode ser feito. Esse é um exemplo de linha que não vamos cruzar", afirmou o executivo que acredita que este tipo de aplicativo seria muito invasivo para as pessoas e causaria problemas, por exemplo, para o governo.

Schmidt, contudo, disse que este tipo de limite não é exatamente definido. "As pessoas não concordam onde esta linha está, mas o Google não quer a cruzar", afirmou.