OCDE recomenda adoção de medidas para evitar obesidade em países em desenvolvimento

 

A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) recomendou hoje (11) os países em desenvolvimento que adotem medidas imediatas para conter o crescente número de pessoas obesas, antes que essas nações alcancem índices semelhantes os registrados em países ricos. O Brasil é um dos países com índices preocupantes de obesidade, segundo a OCDE.

Metade da população adulta brasileira está com excesso de peso, conforme estudo da OCDE, feito de 1975 a 2003. A pesquisa constatou que 47% dos homens e 54% das mulheres têm sobrepeso. Levantamento mais recente do Ministério da Saúde, divulgado em junho, apontou que, de 2006 a 2009, o percentual de pessoas com excesso de peso subiu de 42,7% para 46,6%. O número de obesos cresceu de 11,4% para 13,9% no mesmo período.

Além do Brasil, o estudo da OCDE avaliou a situação da África do Sul, China, Índia, Rússia e do México. As estratégias de combate à obesidade, segundo a organização, devem prever promoção de hábitos saudáveis e restrições a propagandas de alimentos para crianças. A OCDE diz que os custos com os programas de prevenção seriam pagos com a queda nos gastos com tratamento de doenças relacionadas à obesidade, que trazem resultados em 15 anos.

Para o pacote de prevenção à obesidade, a OCDE calcula que o Brasil gastaria quase US$ 3 per capita a cada ano.

O México apresentou a pior situação – sete a cada dez mexicanos adultos estão acima do peso ou obesos. A China e a Índia registraram os níveis mais baixos, mas “estão rapidamente se movendo para a direção errada”.