Militares americanos criam robô com inteligência artificial

Os militares norte-americanos anunciaram, nesta quarta-feira, que estão inventando uma rede capaz de realizar análise de dados, com percepção sensorial, processamento visual, acústico e classificação de objetos ou atividades semelhantes ao dos seres humanos. Trata-se de um tipo de inteligência artificial, denominada Skynet.

Seguindo à risca o roteiro do longa-metragem, Exterminador do Futuro, onde um androide com habilidades militares é o responsável por uma revolta contra as máquinas, o Skynet nada mais é que um veículo que opera em uma rede composta de robôs e sistemas de computador. No caso do filme, por acaso, a rede voltou-se contra seus criadores, os humanos.

Segundo um site americano, a rede de inteligência artificial tem o objetivo de expandir e sofisticar as capacidades de análise em situações de perigo, ou seja, ela atuaria como um defensor dos humanos tão suscetíveis a falhas durante ações militares.

Mesmo em testes, a nova tecnologia se tornou uma alternativa interessante às forças armadas que enxergam nos computadores e robôs um poder de processamento de informação bem mais avançado que o cérebro humano - o que garantiria um poder de aprendizado jamais visto anteriormente.

O estudo ousado está criando uma rede neural bem treinada para a obtenção de um nível "humano ou melhor que isso" em processos de análise de vídeo e outros tipos de sensores.

No fundo, todo esse aprendizado deve permitir aos comandantes tomadas de decisões mais corretas, de forma mais rápida e mais precisa.

Contudo, em uma rede neural, inclusive na humana, sabe-se qual informação começa a ser processada, mas todo resultado desta análise é uma surpresa. Ninguém sabe o que acontece no meio do caminho, e as respostas obtidas vão sendo classificadas em novos padrões de comportamento.