Pinguins antigos não eram pretos e brancos, diz estudo

A descoberta do mais antigo fóssil de pinguim com penas, datando de 36 milhões de anos atrás, revela que nem sempre os pinguins foram pretos e brancos. Os pássaros aquáticos, antigamente, eram avermelhados e cinzas. A análise do fóssil foi realizada por pesquisadores da Universidade do Texas, Estados Unidos. As informações são do site LiveScience.

O pinguim, acredita-se, possuía 1,5 m de altura, e pesava duas vezes mais do que os pinguins atuais, com 30 kg em média. Marcas de penas na pedra, em volta dos ossos ajudarão os pesquisadores a entender como o pinguim moderno evoluiu.

Para descobrir a cor que os pingüins possuíam, os pesquisadores examinaram resíduos de pigmentação nos fósseis. Examinando as células dos pigmentos, descobriu-se que os pinguins eram vermelhos e cinzas.