Especialistas são enviados à Colômbia devido a urânio das Farc

Agência EFE

VIENA - A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) confirmou hoje, em Viena, que enviará na próxima semana uma equipe de especialistas à Colômbia para analisar com as autoridades locais o urânio encontrado perto de Bogotá e que procederia das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Um funcionário da agência nuclear da ONU disse hoje:

-A pedido das autoridades colombianas, a AIEA enviará uma pequena equipe de especialistas técnicos à Colômbia.

A fonte destacou que a visita dos especialistas foi organizada antes da notícia esta semana na imprensa sobre a descoberta do urânio.O funcionário da AIEA acrescentou também que a missão da agência é um assunto 'de rotina' e que ocorre como resposta à solicitação da Colômbia, que é um país-membro desse organismo:

-Não seria apropriado analisar agora os detalhes dessa visita.

Os três especialistas partirão de Viena na próxima segunda-feira e permanecerão no país andino por cerca de uma semana.

Outra fonte do organismo disse que os especialistas da AIEA estimam que o material descoberto é urânio empobrecido, um material que tem aplicações na indústria aeronáutica e também militar.

O urânio empobrecido não tem valor elevado no mercado negro nuclear, e costuma ser usado para roubar potenciais compradores de materiais nucleares, acrescentou a fonte.

As autoridades colombianas acharam o urânio após encontrar informação a respeito em um dos computadores do então porta-voz internacional das Farc, 'Raúl Reyes', morto em operação no Equador, que falava de uma oferta feita aos rebeldes por traficantes de urânio.

Segundo o documento, um homem conhecido como 'Belisario' ofereceu às Farc 50 quilos de urânio para negociá-los com algum Governo, ao valor de US$ 2,5 milhões por quilo.

Na quarta-feira passada, o Ministério da Defesa colombiano informou que seus serviços de inteligência tinham confiscado 30 quilos deste mineral em uma zona rural de Bogotá.