Paleontólogos encontram na Patagônia argentina o maior megaraptor já registrado

Paleontólogos argentinos anunciaram a descoberta de um dinossauro predador que media o equivalente a três andares do nariz à cauda e eviscerava suas presas com garras afiadas e curvas

Foto: Agustín Ozán
Credit...Foto: Agustín Ozán

De acordo com a Science Alert, pesando cerca de seis toneladas, o espécime é o maior megaraptor descoberto até hoje e provavelmente se alimentava de dinossauros menores que rasgava em pedaços com suas garras antes de devorá-los, disse o paleontólogo Mauro Aranciaga.

Maip macrothorax (mau gigante) seria a expressão perfeita daquele que teria sido o "predador do ápice" de seu tempo, disse Aranciaga.

O nome é derivado da cultura indígena local e se refere a uma figura mitológica do povo Aonikenk da Patagônia em que Maip representa o "mau", a "sombra da morte", enquanto macrothorax se refere à sua enorme extensão. Para se ter uma ideia, os cientistas estimam que só sua cavidade toráxica media cerca de 1,2 metro.

O monstro recém-identificado pertencia a um grupo de gigantes carnívoros que vagou pela América do Sul, mas o exemplar em questão media de nove a dez metros de comprimento, maior do que qualquer tipo de megaraptor já descoberto anteriormente, de acordo com a equipe de Aranciaga.

Ele viveu cerca de 70 milhões de anos atrás, no final do período Cretáceo, no que era então uma floresta tropical, muito antes da cordilheira dos Andes e das geleiras que agora definem a Patagônia.
As garras dianteiras de Maip macrothorax eram afiadas e curvas, cada uma com cerca de 40 centímetros de comprimento, perfeitas para penetrar o couro de suas vítimas.

Depois de meses de escavação meticulosa, limpeza e classificação de um grande depósito de ossos, foram identificados vértebras, pedaços de costela, quadril, cauda e braço.

"Quando levantei a vértebra e vi que tinha as características de um megaraptor, foi realmente uma emoção enorme", lembrou Aranciaga, 29, que teve a sorte de encontrar o Maip em sua primeira expedição profissional. "De alguma forma, realizei meu sonho de infância [...] encontrar um novo fóssil que se revelou um megaraptor, o grupo no qual me especializo", disse.

Maip foi um dos últimos megaraptores a habitar a Terra antes da extinção dos dinossauros, cerca de 66 milhões de anos atrás, segundo Fernando Novas, do Laboratório de Anatomia Comparada do Museu Argentino de Ciências Naturais. (com agência Sputnik Brasil)

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais