Pesquisadoras revelam por que algumas pessoas são 'blindadas' contra covid-19

Cientistas dos EUA descreveram mecanismos básicos de desenvolvimento de imunidade ao coronavírus, explicando por que algumas pessoas não estão propensas à doença, apesar de não terem sido infectadas ou vacinadas

Foto: AP / Niaid-RML
Credit...Foto: AP / Niaid-RML

O estudo foi publicado nesta sexta-feira (29) na revista "Science".

As pesquisadoras do Instituto de Descobertas da Medicina Sanford Burnham Prebys (EUA) Jennifer L. Hope e Linda M. Bradley descreveram os principais mecanismos formadores da imunidade contra a covid-19.

Invadindo as células hospedeiras, o vírus inicia mecanismos de replicação, o que abre as portas para os invasores se espalharem por células mais suscetíveis. Para combater o vírus, o sistema imunológico lança reações inatas, como inflamação, que, por sua vez, ativam o sistema imune adaptativo.

As células dentríticas absorvem proteínas e partículas virais e transportam-nas para os órgãos linfoides, onde estão as células T e B, responsáveis pela defesa do organismo. Se as células reconhecerem o vírus – como regra, o reconhecimento ocorre quando o vírus já invadiu o organismo antes, ativam dois mecanismos de imunidade adaptativa dos grupos de células T e B, assegurando uma proteção eficaz.

A imunidade adaptativa gera uma memória imune protetora, na qual se baseia a estratégia de vacinação. Contudo, a reação das células T e B ao Sars-Cov-2 funciona também em pessoas que nunca se esbarraram com o vírus.

As autoras teorizam que a presença da imunidade estaria ligada à existência no organismo de células T e B, específicas de outros coronavírus humanos da família HCoV, que podem ser de um resfriado comum. As células T, que reagem às proteínas do SARS-CoV-2, foram observadas em pessoas infectadas anteriormente pelo vírus Sars-Cov de pneumonia atípica. Igualmente, os anticorpos IgG de pacientes com covid-19 agem fortemente contra as proteínas dos coronavírus causadores de resfriado.

Por isso, segundo as pesquisadoras, as reações imunes ao Sars-Cov-2 dependem principalmente do histórico de encontros anteriores com vírus. (com agência Sputnik Brasil)