Leilão de licitações termina com valor recorde

O Brasil arrecadou hoje um recorde de R$ 2,109 bilhões (US$ 1,14 bilhão) na nona rodada de licitações de petróleo, ocorrida no Rio de Janeiro. O diretor da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Nelson Narciso Filho, destacou a "forte presença de empresas nacionais" no leilão de licitações para áreas com potencial de exploração.

"Todos os tipos de empresas que participaram saíram vencedores, ao contrário do que aconteceu em outras licitações, quando houve uma concentração maior dos ganhadores", disse. O valor total foi um recorde para este tipo de licitação. No entanto, ficou abaixo da projeção inicial da ANP, que era de R$ 3 bilhões a R$ 4 bilhões (US$ 1,621 bilhão a US$ 2,162 bilhões). Os números dobraram os da sétima rodada, que ficou em R$ 1,087 bilhão (US$ 587,5 milhões).

A Petrobras ficou abaixo de suas expectativas. Os especialistas técnicos da ANP atribuíram a posição cautelosa à exploração do gigantesco campo de Tupi, descoberto recentemente na Bacia de Santos. No leilão desta terça-feira, destaque para a atuação da OGX, do empresário Eike Batista. Ela arrematou 21 dos 25 blocos por um valor de R$ 1,567 bilhão (US$ 847 milhões). Já a companhia Vale do Rio Doce assumiu blocos que totalizam 73.078 quilômetros quadrados. Além disso, participaram do leilão 67 empresas, sendo 35 delas estrangeiras.

A ANP destacou o "potencial" para a exploração das reservas brasileiras, nas quais apenas 4,7% estão em mãos de outras empresas além da Petrobras. Para 2008, está prevista a realização de três leilões de áreas de petróleo e gás natural.