PROGRAMA

Sábado das Campeãs tem uma vitoriosa há 16 anos consecutivos

A Embaixadores da Alegria faz seu 16º desfile mais acessível do Carnaval carioca no dia 17, a partir das 19h

Por REVISTA PROGRAMA com Bem Viver
[email protected]

Publicado em 11/02/2024 às 12:04

Alterado em 11/02/2024 às 12:06

Embaixadores da Alegria Foto: Gui Maia/divulgação

Se o quesito for inclusão, a nota é dez. A Embaixadores da Alegria, primeira escola de samba do mundo voltada a pessoas com deficiência, faz o seu 16º desfile no sábado das Campeãs, no próximo dia 17, com muita criatividade e leveza. Considerada mais do que uma escola de samba, mas uma escola de vida, a Embaixadores da Alegria entra mais uma vez no terreiro sagrado do samba. 

A escola vai reviver, na Marquês de Sapucaí, o incrível desfile de 2018, com o enredo “Super-heróis da alegria”, que fala dos pais, responsáveis, pessoas que cuidam e trabalham para que seus filhos ou entes queridos com deficiência possam ter alegria de viver.

“Observamos o quanto a presença dessas pessoas influencia na qualidade de vida da pessoa com deficiência, além da atmosfera cultura e educacional. É um estímulo muito importante”, explica o cofundador da associação Caio Leitão, publicitário, especialista em marketing de conteúdo. 

Em seus 17 anos de existência, a associação sem fins lucrativos já levou ao maior espetáculo da Terra mais de 18 mil pessoas com e sem deficiência, participando gratuitamente dos desfiles acessíveis. A proposta da Embaixadores da Alegria é utilizar a cultura, o samba, a arte e educação como instrumentos de inclusão social. Este ano, a escola levará para o sambódromo 1.200 componentes, sendo 280 na bateria, um casal de mestre-sala e porta-bandeira cadeirante, e a eterna rainha de bateria com Síndrome de Down. E ainda tem outros dois casais de mestre-sala e porta-bandeira - cada um com pelo menos uma pessoa com deficiência. 

“A arte, a música e educação são ferramentas imprescindíveis para um mundo mais equânime. A Embaixadores da Alegria vem transformando o Carnaval do Rio no mais acessível do Brasil e do mundo. Somos referência em acessibilidade 360º, ou seja, não são somente as questões físicas-normativas de acessibilidade no desfile. É mais do que isso. São questões que envolvem a inclusão emocional, empatia, direitos humanos e alegria”, enfatiza Paul Davies, cofundador da associação.

É por isso que a Embaixadores da Alegria é mais do que uma escola de samba, é uma escola de vida! E é, com toda essa força vital, que a escola abre o Desfile das Campeãs do Carnaval do Rio 2024, na Marquês de Sapucaí, no sábado 17 de fevereiro, às 19h. É a alegria indo além da Quarta-Feira de Cinzas.

O enredo

O enredo reeditado de 2018 faz a ponte entre o famoso personagem das histórias em quadrinhos, surgido nos Estados Unidos há quase 100 anos, e os super-heróis da vida real, do mundo contemporâneo, sejam eles heróis populares do esporte ou das artes, ou heróis da vida cotidiana – pessoas que fazem o bem sem olhar a quem, que lutam pelo coletivo, que combatem as desigualdades e injustiças, que lutam pela inclusão e por direitos iguais a todo mundo. Heróis que podem ser famosos ou não, ou mesmo professores ou médicos, ou simplesmente serem os pais de uma criança portadora de deficiência, que lutam por um mundo mais inclusivo, em que seus filhos sejam aceitos e possam ser o que quiserem ser.

Embaixadores da Alegria

 A Embaixadores da Alegria é uma associação sem fins lucrativos, fundada em 2006 pelos sócios Paul Davies e Caio Leitão. A proposta é utilizar a cultura, o samba, a arte e educação como instrumentos de inclusão social para pessoas com e sem deficiência.

Ao longo da sua trajetória, a Embaixadores da Alegria já beneficiou mais de 18 mil pessoas com seus desfiles acessíveis, oficinas de carnaval, palestras, teatro e shows. Foram 15 desfiles consecutivos na Sapucaí com sambas exclusivos. Os componentes são foliões com e sem deficiência, pertencentes a instituições ligadas à causa. Hoje a associação dialoga com mais de 80 instituições, grupos e projetos no Brasil e no exterior.

O carnaval do Rio de Janeiro vem sendo transformado no mais acessível do Brasil com a Embaixadores da Alegria. Foram desenvolvidas logísticas, planejamentos de embarque e desembarque no sambódromo para os foliões juntamente com os órgãos públicos municipais e a Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba do Grupo Especial). Além disso, ações dentro do desfile foram criadas exclusivamente para atender às necessidades e características de cada deficiência. Há um time de harmonia especial composta de fisioterapeutas, professores de educação física, psicólogos, que cuida da acessibilidade e inclusão emocional. E também um time de harmonia de carnaval, composto por profissionais experientes do mundo do samba, cuidando da evolução e da qualidade do espetáculo. Para as pessoas com deficiência auditiva, há ainda uma equipe de intérprete de Libras que traduz o samba ao vivo na Sapucaí.

Em 2016, a Embaixadores da Alegria viveu um dos seus grandes momentos na cultura do Brasil. Ela se apresentou dentro do Parque Olímpico durante os Jogos Paralímpicos Rio 2016 e no palco principal do Boulevard Olímpico. Realizou a primeira exposição de cadeira de rodas do planeta, a Wheelchair Fest, que foi vista por cerca de um milhão de pessoas durante os jogos. O objetivo foi lançar um novo olhar além do objeto cadeira de rodas. Artistas plásticos receberam as cadeiras para serem customizadas. Com diferentes linguagens, a exposição ganhou uma mídia espontânea global. O time responsável pela comunicação, conteúdos e marketing cultural ainda encontrou mais uma ferramenta para falar de inclusão: o “Musical da Alegria”, que foi apresentado no Imperator, com direção musical de Alfredo Del Penho e direção geral Luís Igreja.

Os fundadores

Paul Davies é inglês, formado em desenho industrial em Londres, e se dedica à Embaixadores da Alegria desde o primeiro planejamento no papel, quando o nome do projeto ainda era “esperança”. Com muita pesquisa, convivência e estudos, os dois tornaram um simples desfile para pessoas com deficiência em uma organização social relevante para o mundo da pessoa com deficiência. Hoje a dupla “carioca com sotaque britânico” espera ainda mais visibilidade sobre a cultura acessível e o olhar mais equânime para as pessoas com deficiência. Tem grande gerência no planejamento do carnaval na Sapucaí e coordena o time de produção do carnaval. Realiza constantes diálogos internacionais e nacionais para promover o combate ao capacitismo. 

Caio Leitão – Cofundador. Coordenação geral de planejamento e criação. É responsável pelas concepções e propriedade intelectual dos projetos. Gestão horizontal e integrada com todas as áreas e equipes multidisciplinares do conteúdo cultural e direitos humanos. Liderança junto aos órgãos públicos, entidades, imprensa e patrocinadores. Publicitário, especialista em marketing cultural e estratégia de marcas. Com mais de 20 anos de carreira, trabalhou em grandes agências de publicidade do Brasil como a Ogilvy Brasil. É um dos fundadores da primeira escola de samba do mundo voltada às pessoas com deficiência. Foi convidado como consultor da Secretaria Estadual de Cultura do Rio de Janeiro e People’s Palace Project (subsidiária da Queen Mary University of London) para realizar diagnósticos e oportunidades de intercâmbio cultural entre os Comitês Olímpicos e Paralímpicos de Londres 2012 e Rio 2016. Produziu a inédita exposição de cadeiras de rodas (Wheelchair Parade) nas Paralimpíadas Rio 2016, ao lado do Museu do Amanhã no Boulevard Olímpico, o Musical da Alegria no teatro Imperator no Rio de Janeiro e coordenou 16 desfiles acessíveis de carnaval na Marquês de Sapucaí.

Serviço:  Desfile da Embaixadores da Alegria / Local: Sambódromo do Rioí / Endereço: R. Marquês de Sapucaí - Santo Cristo / Dia: 17 de fevereiro de 2024 (sábado) / Horário: 19h / Concentração: às 16h30 - em frente ao edifício "Balança Mas Não Cai". Apoios: Liesa, Secretaria Estadual de Cultura e Economia Criativa, Riotur e Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e da Fecomércio.

Tags: