ACCRJ elege os melhores filmes do ano

.

Divulgação
Credit...Divulgação

A Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro (ACCRJ), em reunião realizada nesse sábado (3), escolheu os melhores filmes de 2020. Presidida pela jornalista Ana Rodrigues, a ACCRJ realizou a votação virtualmente devido à pandemia de covid-19, que também influiu a mudança da regra de elegibilidade, tornando elegíveis títulos produzidos por e para plataformas de streaming pela primeira vez na sua história.

Dois títulos brasileiros integram a lista: “Babenco: Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer Parou”, sobre os últimos anos de vida do consagrado cineasta Hector Eduardo Babenco, realizado por sua mulher, a diretora Bárbara Paz; e o premiado “Pacarrete”, de Allan Deberton, estrelado por Marcélia Cartaxo (Urso em Berlim, com “A Hora da Estrela”).

Muito feliz com a indicação, Deberton falou sobre o significado dessa escolha: “Agradecemos e saudamos a Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro por fazermos parte da seleta lista, no meio de tantos filmes incríveis. É uma grande honra. O cinema brasileiro é algo para nos orgulhar! Nossa identidade, nossa cultura, nossos sonhos estão em tela! Que resista sempre, que mais histórias sejam contadas e que os artistas mais velhos estejam sempre, sempre, em cena”, ressaltou o diretor.

A relação completa dos eleitos
- “Retrato de Uma Jovem em Chamas” (Portrait de la jeune fille en feu – 2019, França), de Céline Sciamma – que foi escolhido como o melhor filme do ano.
- “1917” (Idem – 2019, EUA), de Sam Mendes;
- “Babenco: Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer Parou” (2020, Brasil), de Bárbara Paz;
- “Destacamento Blood” (Da 5 Bloods – 2020, EUA), de Spike Lee;
- “Joias Brutas” (Uncut Gems – 2019, EUA), de Benny Safdie e Josh Safdie;
- “O Farol” (The Lighthouse – 2019, Canadá), de Robert Eggers;
- “O Homem Invisível” (The Invisible Man – 2020, Canadá), de Leigh Whannell;
- “O Som do Silêncio” (Sound of Metal – 2019, EUA), de Darius Marder;
- “Pacarrete” (2020, Brasil), de Allan Deberton;
- “Soul” (Idem – 2020, EUA), de Pete Docter e Kemp Powers

As homenagens póstumas foram para os atores José Mojica Marins, Flávio Migliaccio, Kirk Douglas e Sean Connery; e para os compositores Aldir Blanc e Ennio Morricone.

A “Melhor Iniciativa Cinematográfica de 2020” será concedida a Cavi Borges, que continua produzindo em meio à pandemia, inclusive inaugurando o Espaço Cultural Cavídeo, nas Casas Casadas, em Laranjeiras, Zona Sul do Rio de Janeiro. Além disso, Cavi Borges tem realizado ações sociais para ajudar os mais afetados pela crise humanitária oriunda da sanitária e econômica.