BRASIL

Atos de 8 de Janeiro marcaram a derrocada política dos radicais, avaliam especialistas

...

Por JORNAL DO BRASIL com Sputnik Brasil
[email protected]

Publicado em 08/01/2024 às 08:34

Alterado em 08/01/2024 às 08:34

Golpistas filmavam como troféu a quebradeira das sedes dos três Poderes, no 8/1, e expunham nas redes sociais Foto: AP Photo / Eraldo Peres

Melissa Rocha - Em entrevista ao podcast Jabuticaba sem Caroço, da Sputnik Brasil, especialistas afirmam que os atos antidemocráticos em Brasília, que completam um ano nesta segunda (8), minaram a base de apoio mais radical do bolsonarismo, formada por grupos que viviam "realidade paralela" e que foram repreendidos pelo próprio ex-presidente Jair Bolsonaro.

O ataque à Praça dos Três Poderes, em Brasília, completa um ano nesta segunda-feira (8). Há exatos 12 meses, a população brasileira observou uma multidão insatisfeita com o resultado das eleições presidenciais invadir e depredar os prédios do Palácio do Planalto, do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Congresso Nacional.

O episódio marcou a história do país. Imagens de simpatizantes do ex-presidente Jair Bolsonaro destruindo símbolos da República correram os noticiários do Brasil e do mundo e levaram a uma reflexão sobre a importância da democracia e do trabalho das instituições democráticas para impedir novos atos de violência como esse.

Segundo o mais recente balanço divulgado pelo STF sobre o caso, no dia seguinte às invasões, 1.927 pessoas que estavam acampadas diante de quartéis em Brasília foram encaminhadas à prisão, das quais 775 foram liberadas. Entre 11 e 17 de janeiro, foram realizadas 1.397 audiências de custódia, que resultaram em liberdade provisória com medidas cautelares de 459 pessoas e na conversão de 938 flagrantes em prisão preventiva.

Atualmente, 66 pessoas envolvidas nos atos ainda permanecem presas preventivamente, respondendo por crimes como associação criminosa, abolição violenta do Estado Democrático de Direito, tentativa de golpe de Estado e deterioração de patrimônio tombado. Do total, 33 foram denunciadas como executoras dos crimes praticados — sendo que duas foram transferidas a hospitais psiquiátricos —, 25 seguem presas aguardando a conclusão de diligências — investigadas por financiar ou incitar os crimes praticados — e oito já foram condenadas.

Especialistas fazem um balanço do ocorrido, um ano após os atos de depredação, e analisam que impactos o episódio teve e ainda pode ter na política brasileira, tanto em partidos da oposição quanto da situação.

Para Ernani Carvalho, coordenador do curso de ciência política da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), o grande primeiro impacto que o 8 de Janeiro trouxe para a política foi a aglutinação de forças em torno do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Se a gente lembrar um pouco o resultado da eleição, […] percebe que o fim da eleição gerou um país extremamente dividido. A vitória foi por um percentual muito pequeno. E logo após os ataques perpetrados em 8 de janeiro, em Brasília, com toda aquela destruição, depredação do patrimônio público, vandalismo, invasões, isso criou um ambiente propício para uma aglutinação de forças que estavam, de certa forma, sob xeque em termos de apoio ao governo", explica o cientista político.

Carvalho lembra que os presidentes das casas legislativas, assim como todo o Judiciário, se posicionaram imediatamente contrários aos ataques, bem como os governadores que apoiaram o ex-presidente Jair Bolsonaro nas eleições de 2022.

"Até o próprio ex-presidente Bolsonaro se posicionou contra os ataques, mesmo que de forma ainda um pouco tardia."

Como ficou a CPI do 8 de Janeiro?
Questionado sobre os resultados apresentados pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada para investigar as ações de vandalismo em Brasília, Carvalho diz achar improvável que os trabalhos da comissão evoluam no sentido de apresentar, realmente, instrumentos jurídicos capazes de culpabilizar grandes responsáveis, sejam indivíduos ou instituições. Ele afirma que isso se dá pela forma como as CPIs são conduzidas no país.

"A gente sempre pensa que CPI dá em pizza, mas dá em pizza porque vira muito mais um teatro político, onde as facções disputam a sua versão da verdade e se atêm pouco sobre os fatos jurídicos, as questões realmente que podem trazer mais veracidade, culpabilidade, gerar provas."

Para o cientista político, o STF tem apresentado um trabalho mais bem estruturado em relação "não só do ponto de vista de atuar como uma instituição que, de certa forma, guardou o processo democrático, mas também na culpabilização, na instrução de processos, na prisão de vários dos participantes dos atos do 8 de Janeiro".

Desconexão com a realidade alimentou os extremistas
Carvalho aponta ainda que os atos do 8 de Janeiro jogaram luz na desconexão de certos grupos com a realidade, uma tendência que ele aponta ter começado anos antes de Bolsonaro chegar ao poder, e que teve como uma das principais ferramentas as redes sociais.

"Esses grupos radicais foram se autoisolando no campo do próprio processo democrático do Brasil, desde que houve a redemocratização. Se a gente pensar, os radicais que estiveram no campo da esquerda terminaram se isolando em partidos menores, e se tornaram pessoas quase que insignificantes do ponto de vista da viabilidade pública e política das suas visões. Agora, no caso da direita, o que a gente viu foi o oposto", explica Carvalho.

"São grupos que são alimentados e retroalimentados por diversos segmentos da direita. Então, é aquele grupo que foi se avolumando, foi criando uma realidade paralela. Se você observar bem esses grupos, houve uma imersão nas discussões que eles tinham dentro do WhatsApp [plataforma da Meta, proibida na Rússia por extremismo], dos grupos que mobilizavam essa extrema-direita, e você vê claramente que é uma realidade completamente distorcida, completamente aquém de uma racionalidade mínima que a pessoa possa ter da realidade", complementa.

Ele afirma que esses grupos radicais se tornaram um braço armado da direita, com um grau de autonomia que chegou ao ponto de "perpetrar os atos com a visão quase que certa de que haveria uma resposta institucional das Forças Armadas em apoiar aqueles atos e aquilo se tornar um golpe de Estado".

"Obviamente que isso não aconteceu e se comprovou que essa realidade paralela não estava conectada com os desdobramentos que eles esperavam, e isso gerou uma grande frustração e acredito que serviu também de lição para que esses grupos fossem desmobilizados ou mesmo para que eles ganhassem um choque de realidade."

Qual a relação do 8 de Janeiro com a invasão do Capitólio?
Fernando Henrique Cardoso, doutor e mestre em sociologia e direito, advogado criminal e professor de prática jurídica na Universidade Federal Fluminense (UFF), afirma considerar o 8 de Janeiro "um canto do cisne, uma espécie de repetição, um tanto quanto uma farsa, do que aconteceu no Capitólio, nos EUA".

"Sem querer fazer uma correlação sociológica, histórica, mas imagética, do ponto de vista estético, foi bem parecido. Uma coisa de tanto quanto cafonas, brutais, ridículas, extremamente deletérias do ponto de vista democrático, foi o que ocorreu aqui no Brasil."

Porém, ele ressalta que, no caso do Brasil, a data marcou a derrocada de figuras extremistas e representou "uma espécie de expurgo de algumas figuras, pelo menos do ponto de vista imagético".

"A gente pode pensar em alguns episódios que ocorreram nas próprias eleições, como, por exemplo, aquele episódio da arma da [Carla] Zambelli, o episódio lá do Daniel Silveira. Enfim, algumas figuras que ficaram marcadas como imagens desse, digamos assim, status político, que foi sacramentado como derrotado depois das eleições."

Como fica o bolsonarismo após o 8 de Janeiro?
Questionado sobre como os atos de 8 de Janeiro podem repercutir nas eleições de 2024, Cardoso aponta dois elementos a serem analisados. Primeiro, ele afirma que as eleições municipais deste ano servirão como "a prova dos nove" em relação à polarização.

"Será que nós teremos uma eleição polarizada? A única coisa que vai dizer para a gente se sim, é, de fato, a expressão dos votos. Alguns candidatos, alguns políticos já eleitos e alguns assessores políticos que eu tenho contato, estão fazendo um balanço de que essa vai ser uma eleição muito difícil, justamente porque a polarização deu uma arrefecida. Então, assim: 'Contra quem eu estarei lutando, se esse passado antidemocrático já foi superado em 2022?"

Cardoso acrescenta que o bolsonarismo, na realidade, é fruto de algo maior que o ex-presidente, um movimento "que congregou uma série de outras figuras internacionais". Porém, ele diz que a saída da figura de Bolsonaro como possibilidade eleitoral, uma vez que o ex-presidente está inelegível, enfraquece, de fato, o bolsonarismo.

Ele acredita que o movimento experimenta uma derrota "a conta gotas" e que também representa uma derrota para a polarização. E, segundo ele, "a derrocada ainda não terminou".

"Eu ainda vejo novos episódios nessa questão toda, não só para ele [Jair Bolsonaro], como para outros personagens, como, por exemplo, o hoje senador Sergio Moro, o próprio Deltan Dallagnol, que já foi excluído da disputa eleitoral. Então, você tinha figuras muito carimbadas e que, obviamente, traziam muitos votos, e nas eleições isso conta muito, principalmente nas proporcionais, que estão perdendo o poder, estão perdendo o foco, até mesmo ao ponto de, ainda que estejam no poder, começarem a se descaracterizar."

Quem será a grande figura da direita nas eleições de 2026?
Cardoso avalia que nas eleições de 2022 foram utilizadas na candidatura de Bolsonaro uma série de tecnologias que hoje já estão mais difusas a título de conhecimento de equipes. Segundo ele, dificilmente o tom usado por Bolsonaro em campanha tornará a ter força no cenário eleitoral no sentido de impulsionar candidaturas.

"O tom que foi utilizado pelo candidato [Bolsonaro], aquele tom grotesco, agressivo, antidemocrático, excludente, as pessoas batiam palma, eventualmente, bateram muita palma para ele dançar, mas chegou em determinado ponto onde as pessoas viram que aquilo ali não conseguiria se segurar por muito tempo. [...] Existiam ferramentas e tons discursivos [nas eleições de 2022] que me parece que, pelo menos para essa eleição de agora, as pessoas têm um pouco mais de receio de fazer. Até para não serem confundidas com algo que elas mesmas ajudaram a enterrar."

O especialista afirma ser improvável que algum candidato se apresente como herdeiro do bolsonarismo em 2026, pois "quem vai para uma eleição, vai para vencer". Ele cita como exemplo o desgaste sofrido pelo governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, durante o ano de 2023.

"É uma coisa muito curiosa, um carioca governando o estado de São Paulo, e ele teria sido alçado como um, digamos assim, herdeiro do bolsonarismo. Ou seja, fazer um bolsonarismo 2.0 nem tanto a nível de discurso explícito, mas a nível de herdar alianças, de herdar poder de voto. Me parece que algo explícito como foi não se repetiria nessa próxima [eleição]", explica Cardoso.

Porém, ele afirma que o que vai servir de termômetro para o pleito de 2026 serão as eleições municipais deste ano.

"As eleições de 2024 que vão trabalhar com o eleitorado, que vai estar muito de base. Estou falando de vereador, de prefeito. Então, de alguma forma, [o pleito deste ano] vai dar para a gente uma noção [do que esperar em 2026]."

Qual o papel das redes sociais no 8 de Janeiro?
Questionado se o uso das redes sociais viabilizou os ataques do 8 de Janeiro, Cardoso lembra o cenário vivenciado no país dez anos antes, em 2013, quando protestos contra o governo de Dilma Rousseff tomaram as ruas. Ele afirma que, na ocasião, muitos dos que foram às ruas souberam dos atos pelas redes sociais, em especial por eventos criados no Facebook (plataforma da Meta, proibida na Rússia por extremismo).

Ele afirma que com o WhatsApp a discussão se tornou mais capilarizada, e, somado à pandemia de 2020, que impulsionou o uso das redes para comunicação, a relação dos eleitores com a tecnologia se tornou ainda mais complexa.

"Acho que existe algo hoje, há algum tempo pelo menos, que está até anterior à tomada de decisão e passa justamente pela nossa relação com as redes sociais, com o tipo de subjetividade que nós somos bombardeados todos os dias e construímos, nesse caminho de mão dupla, justamente com esses dispositivos."

Ele destaca a necessidade de avançar no debate sobre a regulação das redes, e afirma que, atualmente, as Big Techs, como são chamadas gigantes da tecnologia como o Google, a Meta e a ByteDance, "basicamente dominam o mundo", por isso não é possível deixar que movimentos ocorram dentro dessas plataformas "sem que exista alguma regulação ou sem que exista, pelo menos, uma reflexão sobre a regulação".

"Quem quer fazer com que esse debate [sobre a regulação] seja um debate sobre liberdade de expressão, isso é só uma cortina de fumaça", destaca o especialista.

Tags: