África do Sul coloca vacinação da AstraZeneca em espera sobre dados de variantes

.

Reuters/Dado Ruvic/Foto ilustrativa
Credit...Reuters/Dado Ruvic/Foto ilustrativa

A África do Sul colocará em espera a vacina covid-19 da AstraZeneca em seu programa de vacinação, depois que dados mostraram que ele deu proteção mínima contra infecção leve a moderada causada pela variante coronavírus dominante do país.

O ministro da Saúde Zweli Mkhize disse nesse domingo que o governo aguardaria conselhos dos cientistas sobre a melhor forma de proceder, depois que um estudo mostrou que a vacina AstraZeneca não reduziu significativamente o risco de covid-19 leve ou moderado a partir do 501Y. Variante V2 que causou uma segunda onda de infecções a partir do final do ano passado.

Diante da circulação generalizada da variante mais contagiosa, a vacina estava mostrando eficácia em torno de 75%, disseram os pesquisadores.

Em uma análise posterior baseada principalmente em infecções pela nova variante, houve apenas um risco 22% menor de desenvolver covid-19 leve a moderado versus aqueles que receberam um placebo. Embora os pesquisadores tenham dito que o número não era estatisticamente significativo, devido ao desenho do teste, está bem abaixo da referência de pelo menos 50% que os reguladores definiram para que as vacinas sejam consideradas eficazes contra o vírus.

O estudo não avaliou se a vacina ajudou a prevenir a covid-19 grave porque envolvia principalmente adultos relativamente jovens não considerados de alto risco para doenças graves.

AstraZeneca disse no sábado que acreditava que sua vacina poderia proteger contra doenças graves e que já havia começado a adaptá-la contra o 501Y. Variante V2.

Ainda, o professor Shabir Madhi, pesquisador-chefe do teste astraZeneca na África do Sul, disse que os dados sobre a vacina eram uma verificação da realidade e que era hora de "recalibrar nossas expectativas de vacinas covid-19".

A África do Sul espera vacinar 40 milhões de pessoas, ou dois terços da população, para alcançar algum nível de imunidade de rebanho.

A expectativa era que a vacina AstraZeneca se lançasse aos profissionais de saúde nesta segunda-feira, recebendo 1 milhão de doses produzidas pelo Instituto Serum da Índia (SII).

Em vez disso, oferecerá vacinas aos profissionais de saúde desenvolvidas pela Johnson & Johnson e pela Pfizer/BioNTech nas próximas semanas.

"O que isso significa para o nosso programa de vacinação que dissemos que começará em fevereiro? A resposta é que ele vai continuar", disse Mkhize em uma coletiva de imprensa online. "A partir da próxima semana, nas próximas quatro semanas, esperamos que haja vacinas J&J, haverá vacinas da Pfizer."

Professor Salim Abdool Karim, epidemiologista que assessora o governo, disse que era preciso uma nova abordagem para as imunizações, dada a incerteza sobre o quão eficazes as vacinas atuais seriam contra o 501Y. Variante V2.

"Primeiro uma vacina deve ser usada em um grupo-alvo para avaliar as taxas de hospitalização e, em seguida, se for eficaz na redução das hospitalizações, ela pode apresentar-se em larga escala", disse ele.

Se não fosse eficaz na redução das hospitalizações, os indivíduos que a receberam deveriam receber outra vacina eficaz, seja um reforço baseado na variante ou outra vacina, acrescentou Abdool Karim.

É provável que a África do Sul experimente uma terceira onda de infecções quando o inverno começar em cerca de quatro meses, disse Madhi.

Ele acrescentou que seria "um pouco imprudente" descartar as 1 milhão de doses de AstraZeneca que o país havia recebido quando ainda havia uma chance de proteger contra covid-19,

Anban Pillay, vice-diretor-geral do Ministério da Saúde, disse que a data de validade das doses da AstraZeneca foi em abril, mas o governo estava falando com o SII para buscar uma prorrogação ou troca.

Madhi disse que a África do Sul pode querer reformular seu grupo-alvo para a vacinação. "Ele realmente precisa ser centrado em torno da prevenção de doenças graves e morte do que provavelmente será um ressurgimento em breve." (com agência Reuters)