Ministério assina terça-feira contrato por lote adicional da CoronaVac, diz presidente do Butantan

.

Foto: Reuters/Amanda Perobelli
Credit...Foto: Reuters/Amanda Perobelli

O Ministério da Saúde assinará na terça-feira o contrato para compra de 54 milhões de doses adicionais da CoronaVac, vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac, disse nesta sexta-feira o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas.

O governo do Estado de São Paulo, ao qual o Butantan é vinculado, vinha pressionando o ministério a exercer a opção para o lote adicional da CoronaVac.

“Alguns minutos atrás, quando eu já estava aqui no púlpito, recebi uma comunicação da pessoa responsável pelo departamento de logística do Ministério da Saúde avisando que o contrato será assinado na terça-feira da próxima semana”, disse Covas em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

O instituto importou 6 milhões de doses prontas da vacina e está recebendo matéria-prima para envasar mais 40 milhões de doses, o que totaliza o lote inicial já acertado com o Ministério da Saúde de 46 milhões de doses a serem entregues até abril.

Também presente na coletiva, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse que o Butantan já entregou 8,6 milhões de doses da CoronaVac ao Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde. O envio mais recente foi feito nesta sexta e totalizou 1,8 milhão de doses. Na semana que vem, o Butantan receberá matéria-prima para o envase de mais 8,6 milhões de doses.

Pouco antes de Covas anunciar que foi informado pelo ministério que a opção pelo lote adicional será exercida, Doria havia dado prazo até a próxima sexta para que a pasta dissesse se queria ou não as novas doses. Caso contrário, disse ele, o Butantan as forneceria para Estados e municípios.

Em nota, o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), presidente do Consorcio Nordeste e coordenador da temática de vacina no Fórum Nacional de Governadores, disse ter sido informado por telefone pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, da compra pela pasta dos 54 milhões de doses da vacina do Butantan.

“Agora é só acertar o cronograma com as compras, as datas de entrega mês a mês com o Butantã/Sinovac e Fiocruz/Astrazeneca/Oxford com a China. E podemos, Estados e municípios, planejar vacinação para metade da população brasileira. Um grande passo em direção à imunização no Brasil contra Covid-19”, disse.

Além da CoronaVac, o Brasil conta até o momento com somente 2 milhões de doses da vacina da AstraZeneca desenvolvida em conjunto com a Universidade de Oxford para imunizar os brasileiros contra a Covid-19. Mas a previsão é que até o final do ano haja um total de 210 milhões de doses desse imunizante. (com agência Reuters)