Jornal do Brasil

Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017

País - Sociedade Aberta

Danos morais por falta de amor

Jornal do BrasilSiro Darlan

Todo ser humano nasce de um encontro amoroso entre duas pessoas que imediatamente se tornam responsáveis pelo ser que geram. A responsabilidade dos pais é irrenunciável. E a Constituição em seu artigo 227, levando em conta a vulnerabilidade da criança e do adolescente, seres em desenvolvimento, atribui deveres à família, como o de educar, a convivência, o respeito e a dignidade, além de primar pelo desenvolvimento saudável, e ainda, o de assistir, criar e educar os filhos. Em todos esses verbos estão implícitos o dever de afeto transpassando como prioridade na relação entre pais e filhos.

O Estatuto da Criança e do Adolescente é ainda mais explícito quando evidencia os deveres intrínsecos ao poder familiar não apenas do ponto de vista material, mas especialmente afetivas, morais e psíquicas, explicitando os direitos inerentes à pessoa humana, a fim de proporcionar o desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de liberdade e de dignidade. O dever de criação abrange as necessidades biopsíquicas do filho em suas demandas básicas tais como o cuidado nas doenças, a orientação moral, o apoio psicológico, as manifestações de afeto, o vestir, o acolher, alimentar, ou seja, acompanhamento físico e espiritual ao longo da vida.

O Tribunal de Justiça de Goiás acaba de condenar um homem a pagar a sua filha que teve fora do casamento à importância de R$ 500 mil à qual sempre negou seus direitos, muito embora a tenha registrado quando nasceu. Em sua petição, a filha afirmou que não que os danos morais não eram devidos por danos afetivos, já que segundo afirma já “cicatrizaram e o Judiciário não pode obrigar o pai a dar”, mas pelas sequelas desses fatos que desencadearam um quadro psicótico e depressivo, comprovadamente por documentos.

Essa possibilidade do Direito de família adentrar no campo da responsabilidade civil é uma tendência moderna dos Tribunais e decorrência natural do reconhecimento da criança e do adolescente como sujeitos de direitos, o que veio a corroborar a possibilidade de falar de danos na relação paterno-filial, derivados do abandono afetivo. O direito à convivência familiar é do filho e não do pai, logo como decorrência do poder familiar surge à obrigação de convivência, guarda e afeto e sua omissão produz sequelas emocionais e reflexos no seu desenvolvimento que devem ser reparadas. Como afirmou o magistrado em sua sentença “o dano moral com a dor, em seu sentido mais amplo, englobando não apenas a dor física, mas também os sentimentos negativos, como a tristeza, a angústia, a amargura, a vergonha e a humilhação.”.

Os pais que se omitem quanto ao direito dos filhos, sobretudo à convivência familiar, estão descumprindo obrigação legal, acarretando sequelas ao desenvolvimento moral, psíquico e socioafetivo dos filhos. E uma vez demonstrado essa ofensa aos direitos fundamentais de uma criança, os pais estão sujeitos às penalidades de natureza preventiva, punitiva ou reparadora, com base no princípio da dignidade da pessoa humana.

* desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e membro da Associação Juízes para a democracia.

Tags: Artigo, JB, Sociedade, aberta, siro, texto

Compartilhe: