Jornal do Brasil

Domingo, 27 de Maio de 2018 Fundado em 1891

Rio

Diversidade construtiva pode garantir título de Capital Mundial da Arquitetura ao Rio de Janeiro

Jornal do Brasil ROGÉRIO DAFLON, rogerio.daflon@jb.com.br

O Rio de Janeiro está prestes a se tornar a capital mundial da arquitetura. A missão foi delegada à dupla formada pela secretária municipal de Urbanismo, a arquiteta Verena Andreatta, e o presidente nacional do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), Nivaldo de Andrade. Os dois viajaram, ontem, para a Cidade do México, onde, até amanhã, acontece um encontro do Conselho Superior da União Internacional dos Arquitetos (Uia), instituição que assinou um contrato com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) pelo qual se criou o conceito de Capital Mundial da Arquitetura. O documento defende que o ideal é que a cidade-sede do Congresso Mundial de Arquitetura deve receber o bem-vindo rótulo. E o congresso será justamente no Rio, em 2020. A Cidade Maravilhosa é candidata única, mas tem de provar que faz jus à denominação. “Vamos para o México com o apoio do Ministério da Cultura, do Itamaraty e do Instituto dos Arquitetos do Brasil. E vamos mostrar nossa imensa diversidade arquitetônica”, disse Verena, que preparou um detalhado powerpoint para expor a defesa da candidatura ao conselho superior da Uia. A expectativa é que, nos próximos dias, a Unesco conforme o título para o Rio.

Exemplo de arquitetura moderna, o Santos Dumont e seus pilotis são projeto dos irmãos Roberto

Os arquitetos brasileiros já têm a apresentação toda traçada na cabeça. “Posso dar vários exemplos, como o Edifício Gustavo Capanema. Quando Le Corbusier (considerado o pai do modernismo) veio vê-lo, ficou extremamente surpreso com o resultado da obra da qual ele mesmo foi consultor”, conta Verena. 

O Gustavo Capanema é uma edificação que, no Brasil, foi levada à frente por Lúcio Costa, o criador de Brasília. Ele mesmo convidou Corbusier para acompanhar o projeto. Outros arquitetos, também convidados por Lucio Costa, também seriam responsáveis pela riqueza arquitetônica da cidade. Oscar Niemeyer assinou, por exemplo, o Hospital da Lagoa e o Sambódromo. Affonso Eduardo Reidy, por sua vez, deu ao Rio o Museu de Arte Moderna, o Parque do Flamengo e o genial conjunto habitacional Pedregulho, em Benfica. Jorge Machado desenhou a Cidade Universitária na Ilha do Fundão. Outros craques como Carlos Leão e Ernani Vasconcellos também integraram o projeto do Gustavo Capanema.

O Museu de Arte do Rio é citado como um dos ícones de arquitetura contemporânea na cidade

Para o presidente do IAB do Rio de Janeiro, Pedro da Luz, o Aeroporto Santos Dumont, do escritório dos Irmãos Roberto, não pode deixar de ser citado quando se fala em arquitetura moderna do Rio. A obra foi assinada por Marcelo e Milton Roberto. “Outro projeto fantástico dos irmãos foi a Associação Brasileira de Imprensa”, diz Pedro da Luz. 

Edifício Biarritz no Flamengo: estilo art decó à vista

Mas o Rio não é só modernismo em sua arquitetura. Professora do Pro-Urbe, o programa de pós-graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRJ, Fabiana Izaga chama atenção para contemporaneidade do Museu de Arte do Rio, dos arquitetos Paulo Jacobsen, Bernardo Jacobsen e Thiago Bernardes. “No Mar, tem algo de Richard Rogers (arquiteto ítalo-britânico). Há ótimos exemplos do estilo neoclássico, como a edificação onde hoje funciona a Casa França-Brasil feita pelo arquiteto Grandjean de Montigny, vindo com a Missão Artística Francesa em 1816”, diz Fabiana. 

O Rio é também repleto de exemplos do estilo art déco. Na Praia do Flamengo, o Edifício Biarritz o ilustra à perfeição. Agora, mais que perfeito é o prédio da Central do Brasil. “Este, para mim, é o melhor representante art decó da cidade”, acrescenta Fabiana. O difícil é descobrir o melhor símbolo da arquitetura colonial. Os Arcos da Lapa são dignos da designação referente ao Rio do século 18, assim como o Paço Imperial, na Praça XV, para o século 19. Pedro da Luz diz que a Igreja da Glória instalada no outeiro é uma das grandes conjugações entre natureza e arquitetura colonial. “É uma combinação perfeita”, afirma o arquiteto.

A secretária municipal de Urbanismo diz que a arquitetura nas favelas também será exposta ao Conselho Superior do Uia. “A autoconstrução e toda a história da cidade com a reurbanização de favelas contam a nosso favor. É a nossa arquitetura vernacular (arquitetura popular)”, diz Verena.

Favela Santa Marta, com Cristo ao fundo: autoconstrução e criatividade

Nas favelas do Rio, encontram-se casas de pau a pique, como no Morro Chapéu Mangueira, e casas de madeira, como no Morro Santa Marta, ambos na Zona Sul. Esses locais vêm tendo intervenções do poder público desde os anos 1950, o que também influenciou nas suas configurações, a partir da criação de acessos e de construções de conjuntos habitacionais no seu interior. 

Os prédios do bairro de Copacabana também são citados por Fabiana Izaga. Eles foram erguidos a partir dos anos 1940, sob a influência do plano do arquiteto francês Alfred Agache para a cidade: “Copacabana construiu uma urbanidade. O Rio foi capital e, apesar da violência e dos muitos problemas, ainda é uma referência de cultura no Brasil. Aqui há favelas nas áreas mais ricas, art decó, colonial, neoclássico. É só ir varrendo que você encontra uma incrível diversidade arquitetônica”. Conhecida pelas belezas naturais, a torcida agora é para a cidade passar a se orgulhar também de sua estética construtiva. 



Tags: arquitetura, capital, jb, rio, urbanismo

Compartilhe: