Jornal do Brasil

Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Rio

Veja o momento em que oficial da Justiça é impedida de entrar na Alerj

Jornal do Brasil

Na sexta-feira (17), a juíza Ana Cecilia Argueso Gomes de Almeida, da 6ª Vara de Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), determinou a liberação das galerias da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) para o público. Uma oficial de Justiça foi à Casa com a liminar em mãos, mas foi impedida de entrar pela polícia. 

O deputado Flavio Serafini (Psol) argumentou com os policiais, afirmando que a oficial da Justiça não poderia ser barrada.

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) decidiu entrar com uma ação na Justiça para anular a sessão da Alerj, que determinou a soltura do presidente da Casa, Jorge Picciani, e dos deputados Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB. O mandado de segurança do MP argumenta que, mesmo com liminar concedida pela Justiça determinando a abertura da sessão para o público,  o presidente em exercício da Alerj durante a sessão, deputado Wagner Montes, e a mesa diretora mantiveram os portões fechados, inclusive com a proteção policial.

Picciani, Albertassi e Paulo Melo haviam sido presos na quinta-feira (16), acusados de de corrupção, associação criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.Insira o corpo da noticia aqui.

>> MP entra com ação para anular sessão que libertou Picciani

>> Em nova nota, Picciani reforça que licença não tira prerrogativa sobre prisão

Tags: alerj, justiça, picciani, prisão, tribunal

Compartilhe: