Jornal do Brasil

Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Rio

Jorge Picciani se encontra com Sérgio Cabral na cadeia

Presidente da Alerj ficou menos de 24 horas preso

Jornal do Brasil

O presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), Jorge Picciani, se encontrou com o ex-governador Sérgio Cabral durante sua rápida passagem pela  Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na sexta-feira (17). De acordo com Picciani, as celas se abrem às 8 horas e todos os presos ficam no corredor, onde conversam. Foi lá que houve o encontro, não só com Cabral, mas com "todo mundo que está preso lá", como relatou. Contudo, Picciani não comentou o teor da conversa.

O presidente da Alerj afirmou ainda que estar na cadeia era uma situação "degradante", "muito triste", segundo publicações na mídia.

Picciani foi preso preventivamente na quinta-feira (16), juntamente com os deputados Paulo Melo e Edson Albertassi - todos do PMDB - por decisão do Tribunal Regional federal da 2ª Região. Os três são investigados pela Operação Cadeia Velha, que apura a prática dos crimes de corrupção, associação criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas pela presidência da Alerj e outros cargos na Casa.

>> Alerj aprova parecer da CCJ que revoga a prisão de Picciani, Melo e Albertassi

>> Picciani, Paulo Melo e Albertassi deixam cadeia 1h após decisão

>> Veja quem votou a favor e quem votou contra Picciani

>> Justiça bloqueia R$ 270 mi de Picciani, Melo e Albertassi

>> PR vai expulsar deputados que votaram a favor de Picciani

>> Psol vai expulsar deputado que votou na Alerj pela soltura de Jorge Picciani

Jorge Picciani ficou menos de 24 horas preso
Jorge Picciani ficou menos de 24 horas preso

Na sexta-feira, a Alerj reverteu a decisão da Justiça por 39 votos a favor e 19 contra, e uma abstenção. Uma hora depois da decisão, Picciani, Paulo Melo e Albertassi deixaram a cadeia em um carro oficial da Alerj. Logo após o término da votação, um funcionário da Casa seguiu para Benfica com um documento à direção da unidade. Picciani já estava em casa antes das 20h. Imagens de TV mostravam o político na janela de sua casa, com um copo na mão. A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) informou ter recebido, no final da tarde, resolução da Assembleia Legislativa determinando a soltura dos deputados.

Acusação

De acordo com a Procuradoria Regional da República da 2ª Região, o presidente da Alerj, Jorge Picciani, seu antecessor Paulo Melo e o segundo vice-presidente, Edson Albertassi, formam uma organização que vem se estruturando de forma ininterrupta desde a década de 1990. O grupo contaria com a participação ainda do ex-governador Sérgio Cabral, que também foi deputado estadual e já presidiu a Alerj.

Ainda de acordo com a Procuradoria, eles “vêm adotando práticas financeiras clandestinas e sofisticadas para ocultar o produto da corrupção, que incluiu recursos federais e estaduais, além de repasses da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor)”.

O Ministério Público Federal afirma que Jorge Picciani e Paulo Melo receberam mais de R$ 112 milhões em propinas num período de cinco anos. "Planilhas dizem para nós que, no período de 15 de julho de 2010 a 14 de julho de 2015, foram pagos da conta da Fetranspor para Picciani R$ 58,58 milhões, e para Paulo Melo R$ 54,3 milhões. Desse dinheiro, parte foi paga a mando de Sérgio Cabral. Havia um projeto de poder de enriquecimento ilícito por muitos integrantes do PMDB Rio”, disse a procuradora Andréa Bayão Pereira Freire.

O MPF identificou que a indicação de Albertassi para uma vaga de conselheiro no Tribunal de Contas do Estado (TCE) pode ter sido uma manobra para que a organização criminosa retome espaços perdidos com os afastamentos de conselheiros determinados pelo STJ, e também uma forma de atrapalhar as investigações, ao deslocar a competência para a apuração dos fatos e tirar o caso do TRF2. Esta é a primeira vez em que uma investigação ligada à Lava Jato é conduzida por um TRF.

Tags: alerj, cabral, encontro, justiça, picciani, pmdb, prisão

Compartilhe: