Jornal do Brasil

Domingo, 24 de Junho de 2018 Fundado em 1891

Rio

CCJ da Alerj vota parecer sobre prisão de Picciani em sessão com portas fechadas

Deputados decidem se presidente da Casa, Paulo Melo e Albertassi permanecerão na cadeia

Jornal do Brasil

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) está reunida a portas fechadas, nesta sexta-feira (17),  na sessão que vai votar parecer sobre a prisão do presidente da Casa, Jorge Picciani, e dos deputados Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB. O relator é o deputado Milton Rangel (DEM).

Os membros da CCJ decidiram, por 4 votos a 3, que a sessão seria reservada. Votaram pela sessão aberta os deputados Luiz Paulo (PSDB), Carlos Minc (sem partido) e Rafael Picciani (PMDB). O presidente da CCJ, Chiquinho da Mangueira (Podemos), se surpreendeu com o voto de Picciani, filho do presidente da Casa, mas ele confirmou. Votaram pela sessão reservada Gustavo Tutuca (PMDB), Milton Rangel (DEM), Rosenverg Reis (PMDB) e o próprio Chiquinho da Mangueira.  

O relator Milton Rangel apresentou parecer pela soltura dos três deputados presos. Já Luiz Paulo apresentou um parecer divergente, pedindo manutenção das prisões. Os deputados escolherão um dos pareceres para ir a plenário. Para ser aprovado, é preciso obter a maioria absoluta das cadeiras, que são 36 votos.

>> Protesto bloqueia ruas do Centro para pressionar Alerj por prisão de Picciani

Alerj decide sobre a prisão de Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi

Picciani, Paulo Melo e Albertassi são investigados pela Operação Cadeia Velha, que apura crimes de corrupção, associação criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas, e foram detidos na quinta-feira (16), após decisão em segunda instância do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2). Eles estão na Cadeia Pública de Benfica, onde também está o ex-governador Sérgio Cabral.

Na quinta-feira, já havia mobilizações nas redes sociais para a realização de um protesto nesta sexta-feira, em frente à Alerj, para pressionar os deputados a votarem a favor da manutenção da prisão. 

Articulação

Parlamentares aliados de Picciani articulam uma forma de evitar a continuação da prisão do parlamentar. A estratégia tem como base a decisão recente do Supremo Tribunal Federal (STF) que, ao julgar o pedido de prisão do senador Aécio Neves (PSDB-MG) feito pela Procuradoria-Geral da República, decidiu que caberia à Casa à qual pertence o parlamentar a palavra final sobre pedidos de prisão, afastamento do cargo e outras medidas cautelares.

Acusação

Segundo a Procuradoria Regional da República da 2ª Região, o presidente da Alerj, Jorge Picciani, seu antecessor Paulo Melo e o segundo vice-presidente, Edson Albertassi, formam uma organização que vem se estruturando de forma ininterrupta desde a década de 1990. O grupo contaria com a participação ainda do ex-governador Sérgio Cabral, que também foi deputado estadual e já presidiu a Alerj.

Ainda de acordo com a Procuradoria, eles “vêm adotando práticas financeiras clandestinas e sofisticadas para ocultar o produto da corrupção, que incluiu recursos federais e estaduais, além de repasses da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor)”.

O Ministério Público Federal afirma que Jorge Picciani e Paulo Melo receberam mais de R$ 112 milhões em propinas num período de cinco anos. "Planilhas dizem para nós que, no período de 15 de julho de 2010 a 14 de julho de 2015, foram pagos da conta da Fetranspor para Picciani R$ 58,58 milhões, e para Paulo Melo R$ 54,3 milhões. Desse dinheiro, parte foi paga a mando de Sérgio Cabral. Havia um projeto de poder de enriquecimento ilícito por muitos integrantes do PMDB Rio”, disse a procuradora Andréa Bayão Pereira Freire.

O MPF identificou que a indicação de Albertassi para uma vaga de conselheiro no Tribunal de Contas do Estado (TCE) pode ter sido uma manobra para que a organização criminosa retome espaços perdidos com os afastamentos de conselheiros determinados pelo STJ, e também uma forma de atrapalhar as investigações, ao deslocar a competência para a apuração dos fatos e tirar o caso do TRF2. Essa é a primeira vez em que uma investigação ligada à Lava Jato é conduzida por um TRF.

>> Operação prende filho de Picciani, Jacob Barata e Lélis Teixeira

>> Lavagem de dinheiro no Rio conta com empreiteira e venda de gado

>> Enquanto Rio 'definha', 'sujeitos se empapuçam com dinheiro da corrupção'

>> Duvivier e Bolsonaro filmam Picciani conduzido pela PF

>> Operação Cadeia Velha prende empresários de ônibus no Rio



Tags: assembleia, comissão, jorge, justiça, legislativa, picciani, prisão

Compartilhe: