Jornal do Brasil

Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Rio

Sérgio Cabral é condenado a 45 anos de prisão por crimes investigados pela Operação Calicute

Essa é a segunda vez que o ex-governador foi condenado

Jornal do Brasil

No início da noite desta quarta-feira (20), o juiz federal Marcelo Bretas,  da 7ª Vara Federal Criminal, responsável pelas investigações relacionadas à Operação Lava Jato no Rio de Janeiro, condenou o ex-governador Sérgio Cabral a 45 anos e dois meses de reclusão, além do pagamento de uma multa, pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Cabral foi condenado por crimes investigados através da Operação Calicute, um desmembramento da Operação Lava Jato que investiga um esquema que desviava verbas de contratos do governo do RJ com empreiteiras. Essa é a segunda condenação do ex-governador. Além dele, a sentença condena outras 11 pessoas por participar do esquema que desviava verbas de contratos do governo estadual.

>> Veja a sentença

Além de Cabral, a sentença condena outras 11 pessoas por participar do esquema que desviava verbas de contratos do governo estadual
Além de Cabral, a sentença condena outras 11 pessoas por participar do esquema que desviava verbas de contratos do governo estadual

Na sentença, Bretas descreve Sérgio Cabral como “idealizador do gigante esquema criminoso institucionalizado no âmbito do governo do Estado do Rio de Janeiro”. Ainda segundo a sentença, Cabral “era o chefe da organização, cabendo-lhe essencialmente solicitar propinas às empreiteiras que desejavam contratos com o Estado do Rio de Janeiro, em especial a Andrade Gutierrez, e dirigir os demais membros da organização no sentido de promover a lavagem do dinheiro”.

Adriana Ancelmo também foi condenada

Adriana Ancelmo foi condenada a 18 anos e três meses de reclusão por lavagem de dinheiro e participar de organização criminosa; Wilson Carlos, secretário de Cabral, a 34 anos de prisão por lavagem de dinheiro e organização criminosa. Hudson Braga foi condenado a 27 anos de prisão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa.

Carlos Miranda foi condenado a 25 anos de prisão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa; Luiz Carlos Bezerra, a seis anos e seis meses de prisão por lavagem de dinheiro e participar de organização criminosa e Wagner Jordão Garcia, a 12 anos e dois meses de prisão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Paulo Fernandes Pinto Gonçalves foi condenado a nove anos e quatro meses de prisão por lavagem de dinheiro e organização criminosa; José Orlando Rabelo, a quatro anos e um mês de prisão por organização criminosa; Luiz Paulo Reis, a cinco anos e dez meses de prisão por lavagem de dinheiro e Carlos Jardim Borges a cinco anos e três meses de prisão por lavagem de dinheiro.

Luiz Alexandre Igayara foi condenado a seis anos de prisão por crime de lavagem de dinheiro, mas será beneficiado por ter feito delação premiada e teve a pena convertida em regime semi-aberto e prestação de serviços.

Líder

Na sentença, Bretas explica que considerou como agravante o fato de Cabral ter sido o líder da organização criminosa. “Principal idealizador dos esquemas ilícitos perscrutados nestes autos, o condenado Sergio Cabral foi o grande fiador das práticas corruptas imputadas. Em razão da autoridade conquistada pelo apoio de vários milhões de votos que lhe foram confiados, ofereceu vantagens em troca de dinheiro. Vendeu a empresários a confiança que lhe foi depositada pelos cidadãos do estado do Rio de Janeiro, razão pela qual a sua culpabilidade, maior do que a de um corrupto qualquer, é extrema”, escreveu Bretas.

Sobre Adriana Ancelmo, o juiz determinou que ela cumpra sua pena em regime inicial fechado. Atualmente, ela está cumprindo prisão preventiva domiciliar, em seu apartamento no Leblon, zona sul carioca, mas como a legislação possibilita apelação em liberdade até condenação em segunda instância, ela deverá permanecer em seu imóvel até decisão colegiada. Bretas considerou, na sentença, que Adriana Ancelmo foi mentora dos esquemas ilícitos, ao lado do marido.

“Foi também diretamente beneficiada com as muitas práticas criminosas reveladas nestes autos. Ao lado de seu marido, usufruiu como poucas pessoas no mundo, os prazeres e excentricidades que o dinheiro pode proporcionar, quase sempre a partir dos recebimentos que recebeu por contratos fraudulentos celebrados por seu escritório de advocacia, com o fim de propiciar que a organização criminosa que integrava promovesse a lavagem de capitais que, em sua origem, eram frutos de negócios espúrios.”

Outro lado

O advogado Rodrigo Roca, que representa Cabral, divulgou vídeo em que classifica a sentença como uma violência ao estado democrático de direito. “Só reforça a arguição de suspeição que nós fizemos contra o juiz que a prolatou. A condenação do governador pelo juiz Marcelo Bretas era um fato, era esperada, todo mundo sabia disso”, disse Roca, adiantando que vai apelar à instância superior.

A defesa de Adriana Ancelmo informou que ainda estava tomando ciência da sentença. Os advogados dos demais condenados não foram localizados pela reportagem. Todos os condenados foram arrolados na Operação Calicute, um desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro, que investigou a relação entre o poder político no governo Cabral e empresas prestadoras de serviços, fornecedoras de produtos e empreiteiras responsáveis por grandes obras, principalmente para a Copa de 2014.

Com Agencia Brasil

Tags: cabral, calicute, corrupção, jato, lava, rio

Compartilhe: