Jornal do Brasil

Sexta-feira, 17 de Novembro de 2017

Rio

Mulher ferida a bala continua internada após confrontos com duas mortes no Rio

Agência Brasil

Uma mulher com ferimento a bala produzido durante confronto armado na comunidade do Jacarezinho, na zona norte do Rio, permanece internada no Hospital Salgado Filho, no Méier, na zona norte do Rio. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, o estado de saúde é estável. Ela chegou a ser levada, ontem (19), para Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Manguinhos, que é a mais próxima da localidade, mas foi transferida para o Salgado Filho.

A mulher foi a quinta vítima de conflitos no local neste sábado, o nono dia seguido de conflitos no local. Um homem já chegou morto para atendimento na UPA de Manguinhos e outra mulher morreu durante o socorro. Também foram atendidos na unidade, um homem e uma mulher, que tiveram ferimentos leves e foram liberados em seguida.

Os conflitos no Jacarezinho começaram após a morte do policial Bruno Guimarães Buhler, de 36 anos, no dia 11 passado. Desde lá, a Polícia Civil tem feito uma série de incursões na comunidade para cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão contra traficantes de drogas que atuam na região e para prender os criminosos que mataram o agente. Segundo a Polícia Civil, até o momento, não há informação oficial sobre qualquer operação no Jacarezinho neste domingo.

A coordenadoria da Polícia Pacificadora informou que as bases da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Jacarezinho e Manguinhos, inaugurada em janeiro de 2013, continuam funcionando sem reforço policial e que não houve confronto envolvendo o efetivo de policiais militares, nem na noite de sábado e nem madrugada desse domingo. As operações realizadas na comunidade permanecem sendo feitas apenas pela Polícia Civil.

Na quinta-feira (17), durante uma operação policial no Jacarezinho, policiais da Delegacia de Combate às Drogas (DCOD) localizaram, na UPA de Manguinhos, Moisés Martins Alves, de 28 anos, que tinha sido baleado em um confronto com policiais civis. A Polícia Civil informou naquele dia que Moisés, ao dar entrada para atendimento médico, informou que era pedreiro, mas as informações da instituição eram que o homem conduzia uma motocicleta roubada em Vila Isabel, na zona norte e usava uma pistola.

Ainda conforme a Polícia Civil, Moisés tem anotações criminais por tráfico e associação para o tráfico de drogas. Além disso, equipes da DCOD receberam imagens que mostram o trajeto feito por Moisés até a chegada ao hospital.

Também naquela quinta-feira, agentes da DCOD, com apoio da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), prenderam em flagrante, no entorno da comunidade, Leonardo Magno Salazar Andrade, de 22 anos, e Ruan Carlos da Silva Oliveira, de 28 anos, quando fugiam de uma operação no local.

A Polícia Civil afirma que os dois fazem parte de uma quadrilha especializada em roubos a motoristas do aplicativo Uber e, com eles, foram apreendidos aparelhos de telefones celular de vítimas dos roubos. A policia informou ainda que os dois foram reconhecidos pelas vítimas como sendo os responsáveis pelos roubos.

Segundo a Polícia Civil, Leonardo e Ruan confirmaram a autoria dos roubos e contaram que são obrigados a dar parte dos produtos roubados para o chefe do tráfico do Jacarezinho, Paulo Henrique Godinho dos Santos, conhecido como PH, que empresta o armamento para a realização dos crimes.

Tags: civil, confrontos, de, jacarezinho, janeiro, morte, pacificadora, policial, polícia, rio, unidade

Compartilhe: