Jornal do Brasil

Sexta-feira, 23 de Junho de 2017

Rio

Moradores do Complexo do Alemão fazem protesto contra morte de menino

Protesto pacífico com crianças e adultos foi reprimido por policiais com bombas de gás

Jornal do Brasil

Esta Sexta-feira da Paixão, que deveria ser um feriado de paz e reflexão, se tornou mais um dia de pânico e pesadelo para os moradores do Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio. Eles faziam um protesto pacífico por volta das 16h, contra a morte do menino Eduardo de Jesus Ferreira de 10 anos - baleado e morto na quinta-feira (2) - quando policiais da Tropa de Choque reagiram de forma ostensiva, com spray de pimenta e bombas de efeito moral, instaurando o clima de tensão. Tiroteios e mortes têm sido parte da rotina dos cerca de 70 mil moradores das 15 comunidades do complexo desde o início do ano. Em dois dias, seis pessoas foram baleadas, quatro morreram. 

O menino Eduardo de Jesus Ferreira foi atingido por um tiro de fuzil depois que saiu de sua casa e sentou na escada de acesso a ela, com um celular na mão, na favela da Grota, no Complexo do Alemão. A polícia chegou a alegar que a criança estava armada e não com o aparelho telefônico, mas voltou atrás em sua versão. A família de Eduardo acusa a polícia pelo disparo. A Coordenadoria de Polícia Pacificadora alegou que uma equipe do Batalhão de Choque patrulhava o local quando entraram em confronto com bandidos. 

Os policiais que estavam na operação quando Eduardo foi morto foram afastados do policiamento nas ruas, informou o governo do Rio em nota. Eles respondem a um Inquérito Policial Militar e tiveram suas armas recolhidas para a realização de exame balístico.

Eduardo de Jesus Ferreira foi atingido por um tiro de fuzil. Quando sua mãe foi cobrar explicações de um PM, foi ameaçada
Eduardo de Jesus Ferreira foi atingido por um tiro de fuzil. Quando sua mãe foi cobrar explicações de um PM, foi ameaçada

A mãe de Eduardo, Terezinha Maria de Jesus, de 40 anos, em entrevista ao G1, alertou que não tem dúvida de que foi um policial militar do Batalhão de Choque que matou seu filho. Ela informou ainda que foi ameaçada pelo mesmo policial ao cobrar o crime. “Eu marquei a cara dele. Eu nunca vou esquecer o rosto do PM que acabou com a minha vida. Quando eu corri para falar com ele, ele apontou a arma para mim. Eu falei ‘pode me matar, você já acabou com a minha vida’.”

“Ele estava sentado no sofá comigo. Foi questão de segundos. Ele saiu e sentou no batente da porta. Teve um estrondo e, quando olhei, parte do crânio do meu filho estava na sala e ele caído lá embaixo morto”, contou Terezinha.

Terezinha também declarou que quer sair do Alemão e voltar para o Piauí. "Quero justiça e depois eu vou embora para a minha terra [o Piauí]. Não quero ficar nesse lugar maldito, eu vou sair daqui", disse à Folha de S. Paulo.

Vídeos com imagens de Eduardo morto no chão circulam nas redes sociais e mobilizam a sociedade contra a violência com os moradores de comunidades. Um protesto foi convocado para a próxima quarta-feira (8), do Largo do Machado até o Palácio da Guanabara, na Zona Sul do Rio de Janeiro, contra as mortes e pelo fim da guerra na periferia da cidade. O coletivo Papo Reto também organiza um ato para este sábado (4), às 10h, em favor das vítimas da violência, na entrada da Grota.

A presidente Dilma Rousseff se pronunciou sobre a tragédia nesta sexta-feira (3), pedindo investigação e punição. "Quero expressar minha solidariedade e sentimentos de respeito neste momento de dor a Terezinha Maria de Jesus, que perdeu o filho Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos, no Complexo do Alemão. Espero que as circunstâncias dessa morte sejam esclarecidas e os responsáveis, julgados e punidos."

Policiais e moradores entram em confronto no Complexo do Alemão
Policiais e moradores entram em confronto no Complexo do Alemão

O governador Luiz Fernando Pezão divulgou uma nota lamentando os episódios de violência e disse que o estado não vai recuar. "As nossas forças de segurança vão continuar enfrentando a criminalidade. E o Estado também, se preciso, vai continuar cortando na própria carne para perseguir esse objetivo. Não vamos recuar diante da covardia de criminosos. Determinei empenho máximo à polícia nas investigações para que os culpados sejam punidos."

Chegaram a circular nas redes sociais e no Whatsapp fotos falsas de Eduardo, que apresentam um outro garoto supostamente armado. O deputado federal Jean Wyllys (Psol) comentou sobre o uso do caso: "As imagens apresentam um garoto supostamente armado (não tem como saber as circunstâncias em que a fotos foram tiradas) que não é Eduardo, numa tentativa desonesta e perversa de justificar sua morte e, ao mesmo tempo, fortalecer os discursos demagógicos e irresponsáveis que defendem a redução da maioridade penal. O cinismo, a perversidade e a má fé é tão grande que são capazes de difamar uma criança morta, de apenas 10 anos de idade". 

De acordo com informações do Coletivo Papo Reto, depois que a perícia foi feita no local do crime, o corpo de Eduardo foi levado em um carro da polícia com bombeiros debruçados sobre ele, em vez de ser transportado em uma ambulância. Na noite de quinta-feira, moradores também foram às ruas protestar contra a violência e os abusos cometidos por policias militares nas comunidades.

A Delegacia de Homicídios da capital fluminense instaurou inquérito na manhã desta sexta-feira (3) para apurar as circunstâncias da morte de Eduardo. Foi realizada perícia no local e os familiares do menor foram ouvidos. Os agentes também investigam a morte de Elisabete Alves de Moura Francisco, baleada dentro de casa na tarde de quarta-feira (1º), assim como a filha, que ficou levemente ferida. Policiais militares foram chamados para prestar depoimento e tiveram as armas apreendidas para confronto balístico.

Tags: alemão, mortes, policiais, upp, violência

Compartilhe: