Jornal do Brasil

Terça-feira, 21 de Novembro de 2017

Rio

Polícia investigará suposto cemitério clandestino na Praia de Grumari

De acordo com a denúncia, PMs desovariam corpos no local

Jornal do BrasilCláudia Freitas

Policiais da 42ª DP (Recreio) estiveram nesta sexta-feira (16) na Praia de Grumari, Zona Oeste do Rio, para averiguar uma denúncia de um suposto cemitério clandestino. De acordo com a informação, PMs desovariam corpos de pessoas no local. A acusação foi feita sob anonimato ao e-mail da ONG Rio de Paz. A delegacia investigará a denúncia e deve iniciar uma operação na região na próxima segunda (19).

Segundo o e-mail, constantemente viaturas policiais chegam ao cemitério clandestino com os faróis apagados e entram numa via isolada paralela à praia. A denúncia afirma que o local não tem iluminação pública e é composto por mata fechada. O denunciante anônimo diz ainda que é possível ouvir barulho de tiros e, depois da ação, as viaturas passam novamente com os faróis apagados e somem. Ainda de acordo com a acusação, há anos os PMs desovam corpos na região e, de vez em quando, é possível sentir o mau cheiro dos cadáveres.

O delegado titular da 42ª DP (Recreio), Carlos Henrique Pereira Machado, teve acesso ao e-mail e afirmou que ele “merece atenção, pois descreve o local com muitos detalhes e que há evidências de que pode haver um cemitério no local”.

O caso veio após a ONG Rio de Paz iniciar campanha para a população denunciar cemitérios clandestinos, em função do desaparecimento do ajudante de pedreiro Amarildo, sumido desde 14 de julho, quando foi visto pela última vez entrando numa viatura da UPP da Rocinha, onde morava. Segundo o presidente da ONG, Antônio Carlos Costa, existem vários pontos do Rio de Janeiro que são usados como desova de corpos. 

Tags: Operação, amarildo, cadáveres, cemitério, delegacia, grumari

Compartilhe: