Jornal do Brasil

Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Rio

Falta de quórum derruba sessão da Câmara que instalaria CPI dos ônibus

Trabalhos da Comissão só se iniciarão em agosto

Jornal do BrasilHenrique de Almeida

Não houve quórum para a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos ônibus na Câmara Municipal do Rio, nesta terça-feira. Apenas 16 dos 51 vereadores estiveram presentes na sessão.A falta de quórum, porém, não desregulamenta a CPI dos Ônibus, que deve iniciar seus trabalhos após o recesso parlamentar, em agosto.

Logo após o início da sessão, 27 vereadores haviam assinado a lista para a criação da CPI. Às 15h10, 22 vereadores estavam na casa.

Desde as 14h, outros cinco vereadores assinaram a lista: Átila Nunes(PSL), Zico(PTB), Vera Lins(PP) e Alexandre Isquierdo(PMDB).

Em peso nas galerias,dezenas de manifestantes clamavam: "Nós queremos a instalação da CPI dos ônibus. Vocês são nossos representantes. Esperamos que ouçam a voz do povo. Voltaremos para verificar o andamento disto",garantiram. Outras centenas esperavam do lado de fora.

Autor da proposta, o vereador Eliomar Coelho deixou claro que provavelmente deve ser o presidente da CPI:"Estou garantido nos trabalhos da comissão. Só não sabemos se será agora ou após o recesso,em agosto.",explicou o vereador, que detalhou ainda as ações da futura comissão: "As pessoas estão na rua e estão pedindo por isso. Vamos investigar formação de cartel, como se processa o fluxo financeiro dessas empresas. Além das relações trabalhistas, o fim da dupla função e, principalmente, fiscalizar a qualidade do serviço. Se outras cidades tem um serviço de transporte decente, por que não o rio?",questionou.

"Os trabalhos durarão entre 90 e 120 dias, e iremos propor um novo modelo de transporte público para o Rio",garantiu Eliomar.

O vereador ainda disse não acreditar nas palavras do prefeito Eduardo Paes, que declarou que vai abrir as planilhas de cálculos dos custos das passagens. "Ele também disse que abriu licitação para as empresas de ônibus, e não fez. Não acredito no que ele diz, e as pessoas estão na rua por esse tipo de atitude", finalizou.

Explicações da presidência

O presidente da casa, Jorge Felippe(PMDB), disse que os trabalhos só se iniciarão em agosto, e explicou os trâmites da ação. "Após a verificação da procuradoria da Câmara, terei dois dias para responder à mesa diretora. Após a minha resposta, o professor Uóston(PMDB) irá indicar quatro nomes, uma vez que o Eliomar está assegurado. E então, em agosto, os trabalhos serão iniciados", disse Felippe.

Perguntado sobre sua opinião a respeito da CPI dos ônibus, ele tentou isentar a prefeitura, alegando que até hoje não foi constatada nenhuma irregularidade: "Isso foi objeto de análise do Tribunal de Contas do Município e do Ministério Público. E, até agora ,as coisas estão como estão", disse ele, acrescentando que sua opinião sobre o assunto só será feita durante os trabalhos, praticamente garantindo a criação da comissão. "Vamos ver", limitou-se a dizer. 

O presidente da casa salientou ainda que é "muito saudável" a presença dos manifestantes na galeria. "É ótimo para a democracia".

Maré em foco

Os manifestantes que lotaram a galeria vaiaram muito quando o vereador Alexandre Isquierdo pediu um minuto de silêncio pela morte do Sargento do Bope morto em operação na Maré durante a madrugada desta terça-feira. Eles gritava, perguntando: "E os moradores? E os moradores?", ao que Isquierdo, constrangido, respondeu dizendo que "também lembraria os 11 moradores mortos durante a operação policial na Maré".

Tags: Rio, Transportes, comissão, inquérito, parlamentar

Compartilhe: