Jornal do Brasil

Quarta-feira, 20 de Junho de 2018 Fundado em 1891

Rio

Greve dos Correios pode acabar nesta terça; bancários seguem sem negociar

Jornal do Brasil Caio de Menezes

Diante da recusa da  Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) em acatar a proposta apresentada pela Justiça do Trabalho para por fim à greve dos seus funcionários, uma nova tentativa de conciliação acontecerá nesta terça-feira (25), no Tribunal Superior do Trabalho (TST).

“A categoria aprovou o reajuste de 5,2%, reposição de 8,84% do vale alimentação, além da manutenção de outros benefícios, mas a empresa não aceitou. Se a ECT acatar o que foi decidido, a greve pode terminar amanhã mesmo”, assegurou  Marcos Sant’águida, diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares no Rio de Janeiro (Sintect-RJ).

“No entanto, se a empresa recusar o acordo, a greve, iniciada no último dia 19, está mantida, sem necessidade de realização de nova assembleia", explica o dirigente sindical. O prazo será quinta-feira, quando o TST irá levar a julgamento o dissídio coletivo da categoria, como determinou o presidente da corte, ministro João Oreste Dalazen.

Bancos

A greve dos bancários segue sem previsão de solução. Com mais de nove mil agências fechadas em todo o Brasil, o presidente do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro, Almir Aguiar, prometeu intensificar o movimento reivindicatório da categoria, que, de acordo com o sindicalista, sequer consegue iniciar as negociações.

“O comando nacional dos bancários se reuniu em São Paulo e encaminhou um ofício à Fenaban informando que a categoria estava disposta a negociar. Lamentavelmente, o documento foi ignorado, e não obtivemos resposta alguma”, afirmou. “ Diante desta situação vamos intensificar ainda mais a greve. Além das agências, a ideia é realizar atos nas ruas”.

A Fenaban informou, em nota, que o órgão apresentou uma proposta de reajuste salarial de 6% aos bancários, no dia 28 do mês passado, aguardando um posicionamento por parte das lideranças sindicais. Na nota, a federação alega que os itens que poderiam ser ajustados não foram apresentados pelos bancários, para avaliação. No entanto, a entidade dos bancos não informou o motivo por que não se reuniu com a categoria.

Entre as reivindicações da categoria estão reajuste de 10,25%, ou seja, um aumento real de 5%, piso salarial de R$ 2.416,38 e participação de lucros de três salários mais R$ 4.916,25 fixos. Os bancários pedem ainda reajustes sobre benefícios, como o vale-alimentação.

Polícia Federal

Em assembleia realizada na tarde desta segunda-feira (24/09), os policiais federais em greve optaram pela continuidade do movimento, que já dura 48 dias. Na reunião, foi decidida a realização de um ato no Museu de Arte Contemporânea, em Niterói, na próxima quinta-feira (27/09).

Desde a última sexta-feira (21/09), o movimento grevista funciona com restrições. O Superior Tribunal de Justiça (STJ), em decisão liminar, determinou que nos portos e aeroportos devem ser mantidos 100% das atividades de plantão. No documento do ministro Herman Benjamin, também foi determinado o atendimento às demandas da Justiça Eleitoral nos dois turnos da eleição municipal. 

"Apesar de ainda não termos sido judicialmente intimados, já estamos adequados às exigências do STJ. No entanto, vamos recorrer da decisão, que penso ferir nosso direito a greve", alegou o presidente do Sindicato dos Servidores da Polícia Federal, Telmo Correa Reis.

Como agir durante a greve dos bancários:

Em virtude da greve, o consumidor não perde a obrigação de pagar contas, boletos ou qualquer tipo de cobrança. Segundo informou o Procon-SP, as empresas credoras devem oferecer outras formas e locais para que os pagamentos sejam efetuados.

Para efetuar o pagamento de contas antes do vencimento, o consumidor pode utilizar os caixas eletrônicos, bancos 24 horas, internet banking, aplicativos de celular e tablets, correspondente bancário em lotéricas, agências dos Correios e supermercados, ou débito automático. Após o vencimento, os boletos podem ser pagos apenas no correspondente bancário em lotéricas, agências dos Correios e supermercados.

Os saques ficam limitados a R$ 1 mil por dia no caixa eletrônico, banco 24 horas, correspondentes bancários em lotéricas, agências dos Correios e supermercados. Aos correspondentes bancários também são limitados os saques em três transações por dia.

A consulta de extratos e saldo pode ser feita por meio dos caixas eletrônico, banco 24 horas, internet banking, aplicativo de celular e tablets, telefone, correspondente bancário, lotéricas ou agências dos Correios. A retirada de talão de cheques é feita ou no caixa eletrônico ou por meio do internet banking, assim como o bloqueio ou desbloqueio de cartões.

 



Tags: Rio, bancos, de, federal, greve, janeiro, polícia, servidores

Compartilhe: