Jornal do Brasil

Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

Rio

Contador de Nem tinha mensagens de pedidos de entrega de drogas

Além de envolvimento com tráfico, homem tentou subornar policiais com R$ 3 mil

Jornal do Brasil

Depois de ser surpreendido numa casa no alto da favela da Rocinha, um homem que seria o contador do traficante Antônio Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha, foi preso. Com ele, a polícia encontrou diversas mensagens de pedidos de entrega de drogas em celulares, além de TVs de LCD. As informações foram dadas com exclusividade pela colunista Anna Ramalho.

Agentes da 14ª DP (Leblon) chegaram até o suspeito depois de receberam denúncias anônimas sobre o homem, que seria envolvido no tráfico local. Para escapar dos agentes, o suspeito ofereceu a quantia de R4 3 mil, que foi rejeitada pelos policiais.

A delegada da 14ª DP, Flávia Goes instaurou inquérito policial para apurar o envolvimento do suspeito com o tráfico de drogas na Rocinha. De acordo com ela, o suspeito foi autuado em flagrante por corrupção ativa. A pena é de até 12 anos. 

Ocupação sem tiros

A megaoperação de mais de 3 mil agentes nas favelas da Rocinha, Vidigal e Chácara do Céu para a ocupação da região por forças de segurança não teve um tiro disparado. 

Apesar de barricadas montadas por bandidos nos acessos de uma das maiores favelas da América Latina e muito óleo espalhado nas ruas para dificultar o trabalho da polícia, a retomada do território não teve dificuldades.

Hasteamento das bandeiras

Ao som de muitos aplausos dos moradores, as bandeiras do Brasil e do Rio de Janeiro foram hasteadas, por volta das 13h  deste domingo, em frente à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da favela da Rocinha, em São Conrado, Zona Sul do Rio de Janeiro. Mais tarde, às 14h30, foi a vez de o Vidigal receber a cerimônia. Segundo a PM, 160 homens do Batalhão de Choque vão permanecer na comunidade até que a UPP seja implantada.

O ato, que também foi realizado em outras comunidades pacificadas, representa a expulsão dos criminosos e a volta do poder público à região.  Participaram das duas cerimônias representantes de todas as instituições que colaboraram com a Operação Choque de Paz. Policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar, cantaram o hino nacional e depois o hino da corporação. Fumaça azul foi usada para simbolizar a comemoração.

"A ação representa o sucesso de um planejamento detalhado e de união de forças. Diferentes forças com diferentes rotinas que se uniram com o objetivo comum de tomar o espaço e devolver ao povo o que ele merece", disse após o hasteamento das bandeiras o comandante da Operação de Tomada da Rocinha, coronel Pinheiro Neto

Tags: chacara do ceu, crime, drogas, ocupação, pacificação, polícia, rocinha, tráfico, vidigal, zona sul

Compartilhe: