Jornal do Brasil

Domingo, 19 de Agosto de 2018 Fundado em 1891

País

Cúpula do 'Centrão' fecha apoio a Alckmin nas eleições 2018

Jornal do Brasil

Líderes de partidos do "Centrão" fecharam nesta quinta-feira, 19, acordo para apoiar o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) na eleição presidencial. Depois de se reunirem com o tucano em São Paulo, eles indicaram ao pré-candicato do PSDB que a aliança será formalizada até a próxima semana, após conversas internas nas legendas para convencer defensores de uma coligação com o ex-ministro e ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT).

As cúpulas de DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade bateram o martelo, mas precisam aprovar no voto a aliança com Alckmin. Isso correrá nas respectivas convenções nacionais de cada partido - o prazo para realização vai até 5 de agosto.

Com apoio do 'Centrão', Alckmin chega a seis minutos de propaganda eleitoral

Em contrapartida, o Centrão cobrou a indicação de Josué Gomes (PR), empresário dono da Coteminas, como candidato a vice-presidente. Ontem, Alckmin disse ter "grande estima" pelo empresário e citou que era muito próximo do pai dele, José Alencar (morto em 2011), que foi vice-presidente no governo Lula (PT).

Ciro se afasta do 'Centrão' e acena aos partidos de esquerda

Após ver o 'Centrão' recuar de um possível apoio para sua campanha, o pré-candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, "reconheceu" que "comete alguns erros", mas disse que quem quiser ajudá-lo terá que saber que seu governo "servirá aos mais pobres". Além disso, Ciro acenou aos partidos de esquerda ao defender que a paz no País só será restaurada com a "liberdade" do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Não vou atravessar esse campo minado, consertar as coisas e trazer de volta as riquezas para a nação brasileira sozinho. Não tenho esse poder, preciso sinalizar a todos os brasileiros de boa-fé que não sou o dono da verdade, eu cometo erros. Não me custa nada reconhecer isso, mas nenhum deles foi por deserção", afirmou. "Quem quiser, quem puder me ajudar, será muito bem-vindo, mas saibam daquela porta para fora que este governo que eu liderar servirá aos mais pobres e trabalhadores", complementou.

>> Lula veta aliança com Ciro Gomes

Até a semana passada, Ciro tinha mais força e a preferência de pelo menos dois presidentes dos partidos do bloco formado por DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade. Porém, recentes declarações polêmicas de Ciro provocaram desgaste e receio nos partidos, como um xingamento a uma promotora de Justiça, na ação movida por injúria racial em declaração crítica ao vereador paulistano Fernando Holiday, do DEM. Além disso, há resistência a propostas econômicas do pedetista.

Como mantém negociações avançadas com PSB e PCdoB, Ciro Gomes aproveitou para fazer uma aceno à esquerda, ao condenar o que chamou de "aberração" por parte do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) ao julgar um pedido de habeas corpus em nome do ex-presidente Lula. "Aquele domingo último foi uma das coisas mais assustadas que assisti. Como pode num domingo só tanta aberração lidando com coisas graves como a liberdade do maior líder popular do País", complementou.

Na sequência, o pré-candidato condenou o "mau exemplo" da política brasileira e do Judiciário. "Olhando para a política o que vem todo só vem o mau exemplo, a roubalheira e o verdadeiro caos institucional. É procurador fazendo política, juiz fazendo política, invadindo as atribuições uns dos outros", disse.



Tags: acordo, centrao, dem, eleicao, geraldo alckmin, presidenciavel, psdb

Compartilhe: