Jornal do Brasil

Domingo, 24 de Junho de 2018 Fundado em 1891

País

Partidos pequenos vão ao STF contra normas de financiamento público do TSE

Jornal do Brasil EDLA LULA, edla.lula@jb.com.br

Sob protestos das legendas menores, o Tribunal Superior Eleitoral regulamentou ontem, por meio de Resolução, a distribuição do fundo eleitoral a ser usado entre os partidos durante a campanha política deste ano. Os partidos com maiores bancadas em agosto de 2017 ficarão com as maiores porções de um total de R$ 1,7 bilhão. 

“Esta distribuição tem grande relação com a incompetência do Legislativo ao produzir regras que estabelecem a desigualdade na máquina partidária. Não se prioriza a equidade”, diz o senador Álvaro Dias (Podemos-PR), candidato à Presidência da República. O partido já ingressou no Supremo Tribunal Federal (STF) questionando as regras. Além do Podemos, o Solidariedade e o PP entraram no Supremo contra as regras. 

Para o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), “as regras servem apenas para cumprir o objetivo para o qual o fundo foi criado, que é o de perpetuar no poder quem ali já está”.

Resolução baixada ontem pelo Tribunal Superior Eleitoral determina que os partidos com grandes bancadas ficarão com a maior parte do fundo eleitoral a ser usado na campanha deste ano

A novidade que a resolução do TSE traz é que cada partido só terá acesso ao fundo após definir os critérios para a divisão dos recursos entre os seus candidatos. O valor será transferido em parcela única aos diretórios nacionais dos partidos. 

Outro tema, que trouxe polêmica entre lideranças políticas, foi a destinação de 30% do fundo para as mulheres candidatas. A decisão, aprovada no Tribunal na terça, também foi regulamentada ontem. “Trata-se de uma vitória feminista que faz todo sentido. Se a cota de candidatas mulheres foi criada, é coerente e justo que na mesma proporção sejam destinados recursos para financiar a campanha. Do contrário, a candidatura feminina torna-se algo meramente cartorial, como querem os que são contra essa nova regra”, afirma a deputada federal Jandira Feghali. Ela se refere a parlamentares que já se pronunciaram contra a decisão do TSE, como o próprio presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) 

O Fundo Especial para o Financiamento de Campanha (FEFC), popularmente chamado de fundo eleitoral, está previsto na Lei 13.487/2017. Foi criado para substituir as doações de empresas a partidos e candidatos, consideradas inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal. 

A lei prevê que parte dos recursos virá da transferência de 30% das emendas de bancadas de deputados e senadores no ano eleitoral. O maior montante equivale à renúncia fiscal do governo com a compensação tributária às emissoras de rádio e TV por veicularem a propaganda partidária obrigatória. Como a propaganda em rádio e TV só será feita agora em ano eleitoral, o governo deverá recompor a receita da renúncia, destinando o dinheiro para o fundo eleitoral.

---------

Os campeões

O MDB deverá receber R$ 234,2 milhões do bilionário Fundo Eleitoral, sendo o partido com a maior fatia de recursos, seguido por PT (R$ 212,2 milhões) e PSDB (R$ 185,9 milhões), aponta levantamento feito a partir da cota percentual que cada sigla terá direito. O PMDB ficará com 13,648% do fundo, seguido pelo PT, que terá direito a 12,36% dos recursos. Em terceiro lugar, aparece o PSDB, com uma fatia de 10,83% do total. 

O quarto lugar é ocupado pelo PP, que receberá 7,36% do volume de recursos do fundo, o equivalente a R$ 131 milhões. E em quinto lugar, completando o grupo mais aquinhoado, vem o PSB, com R$ 118,8 milhões, o que corresponde a 6,921% do FEFC.



Tags: eleições, financiamento, partidos, política, tse

Compartilhe: