Jornal do Brasil

Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

País

"Opinião sem relevância", diz procurador da Lava Jato sobre novo diretor da PF

Jornal do Brasil

Procurador da Operação Lava Jato no Ministério Público Federal, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima criticou o novo diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, pelas declarações, nesta segunda-feira (20), de que as investigações sobre a mala com R$ 500 mil entregue pela JBS ao ex-assessor do presidente Michel Temer, Rodrigo Rocha Loures, foi encerrada antes do tempo. 

Segóvia afirmou ainda que "uma única mala" não daria a "materialidade criminosa" necessária para resolver se havia ou não crime, e que havia "interrogações" sobre a investigação.

Nas redes sociais, o procurador do MPF ironizou as declarações de Segóvia - "começou bem" - e ainda questionou: "Quantas malas de dinheiro são suficientes para o novo Diretor Geral da Polícia Federal?".

>> "É um pau mandado", diz Janot sobre Segóvia

>> "Uma única mala talvez não desse toda a materialidade criminosa", diz Segóvia sobre caso Temer

"Começou bem", ironizou procurador, sobre discurso de Segóvia
"Começou bem", ironizou procurador, sobre discurso de Segóvia

Carlos Fernando afirmou, também, que Segóvia não é responsável pelas investigações, mas apenas o chefe administrativo da instituição e que, portanto, não cabe a ele falar sobre processos e denúncias. O procurador também criticou o fato de Segóvia dar sua opinião pessoal, que é, segundo ele, "totalmente desnecessária e sem relevância".

"Não cabe ao Diretor Geral da Polícia Federal falar sobre investigações, pois não é responsável pelas elas, mas apenas o chefe administrativo da instituição. Não cabe à Polícia Federal falar sobre denúncias realizadas, pois a opinio delicti é exclusiva do Ministério Público. Sua opinião pessoal é totalmente desnecessária e sem relevância, ainda mais quando dada em plena coletiva após a posse que lhe foi dada pelo próprio denunciado", disse o procurador.

Tags: corrupção, investigação, lava jato, mpf, pf, polícia, política

Compartilhe: