Jornal do Brasil

Segunda-feira, 18 de Junho de 2018 Fundado em 1891

País

"Opinião sem relevância", diz procurador da Lava Jato sobre novo diretor da PF

Jornal do Brasil

Procurador da Operação Lava Jato no Ministério Público Federal, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima criticou o novo diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, pelas declarações, nesta segunda-feira (20), de que as investigações sobre a mala com R$ 500 mil entregue pela JBS ao ex-assessor do presidente Michel Temer, Rodrigo Rocha Loures, foi encerrada antes do tempo. 

Segóvia afirmou ainda que "uma única mala" não daria a "materialidade criminosa" necessária para resolver se havia ou não crime, e que havia "interrogações" sobre a investigação.

Nas redes sociais, o procurador do MPF ironizou as declarações de Segóvia - "começou bem" - e ainda questionou: "Quantas malas de dinheiro são suficientes para o novo Diretor Geral da Polícia Federal?".

>> "É um pau mandado", diz Janot sobre Segóvia

>> "Uma única mala talvez não desse toda a materialidade criminosa", diz Segóvia sobre caso Temer

"Começou bem", ironizou procurador, sobre discurso de Segóvia

Carlos Fernando afirmou, também, que Segóvia não é responsável pelas investigações, mas apenas o chefe administrativo da instituição e que, portanto, não cabe a ele falar sobre processos e denúncias. O procurador também criticou o fato de Segóvia dar sua opinião pessoal, que é, segundo ele, "totalmente desnecessária e sem relevância".

"Não cabe ao Diretor Geral da Polícia Federal falar sobre investigações, pois não é responsável pelas elas, mas apenas o chefe administrativo da instituição. Não cabe à Polícia Federal falar sobre denúncias realizadas, pois a opinio delicti é exclusiva do Ministério Público. Sua opinião pessoal é totalmente desnecessária e sem relevância, ainda mais quando dada em plena coletiva após a posse que lhe foi dada pelo próprio denunciado", disse o procurador.



Tags: corrupção, investigação, lava jato, mpf, pf, polícia, política

Compartilhe: