Jornal do Brasil

Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

País

'Bloomberg': Brasil está no caminho para conseguir seu próprio Trump

Pesquisa aponta nomes que se destacam nas redes: Luciano Huck e Jair Bolsonaro

Jornal do Brasil

É preciso ter nervos para entrar no debate político brasileiro nestes dias, diz artigo publicado na Bloomberg nesta segunda-feira (20), assinado pelo jornalista Mac Margolis. O avanço de um discurso conservador que chegou a perseguir no aeroporto a filósofa Judith Butler, que visitou o Brasil há duas semanas, ganha destaque para contextualizar o momento brasileiro e as preferências do eleitorado em meio a disputas de conteúdo nas redes sociais. De acordo com pesquisa da Bloomberg, os dois candidatos presidenciais mais proeminentes são Luciano Huck e Jair Bolsonaro. 

"Quem são os candidatos políticos melhor posicionados para enfrentar a tempestade das redes sociais até o gabinete presidencial?", questiona a publicação. "Esqueça o ex-presidente e lenda política Luiz Inácio Lula da Silva, ou o influente governador de São Paulo Geraldo Alckmin. Pesquisa compilada pela Bloomberg mostra que os dois candidatos presidenciais mais proeminentes no Facebook, Twitter, Instagram e outras redes sociais são o apresentador de programa televisivo de variedades Luciano Huck, que nunca ocupou cargos políticos, e Jair Bolsonaro, que elogia a ditadura militar e dedicou seu voto pelo impeachment de Dilma Rousseff no ano passado ao torturador dela."

"Anti-políticos com egos exagerados, plataformas de baixo peso e com uma queda por discursos demagógicos: Onde os eleitores das Américas já viram isto antes?"
"Anti-políticos com egos exagerados, plataformas de baixo peso e com uma queda por discursos demagógicos: Onde os eleitores das Américas já viram isto antes?"

"Chamativos, anti-políticos barulhentos com egos exagerados, plataformas de baixo peso e com uma queda por discursos demagógicos: Onde os eleitores das Américas já viram isto antes?" provoca Mac Margolis.

>> Brazil Is on Track to Get Its Own Trump

Tags: 2018, demagogia, eleições, empresário, mercado, poder, redes sociais

Compartilhe: