Jornal do Brasil

Segunda-feira, 25 de Junho de 2018 Fundado em 1891

País

Ex-deputado Cândido Vaccarezza é preso em nova fase da Lava Jato

Jornal do Brasil

O ex-líder dos governos petistas na Câmara dos Deputados Cândido Vaccarezza foi preso temporariamente nesta sexta-feira (18) em São Paulo. Ele é alvo da Operação Abate, uma das duas novas fases da Operação Lava Jato deflagradas nesta manhã. Ele será transferido, via terrestre, para a cidade de Curitiba, onde se concentram as investigações. A prisão tem validade de cinco dias.

A Polícia Federal, por meio da Delegacia de Combate a Corrupção e o Desvio de Verbas Públicas (DELECOR/SR/PF/PR) deflagrou na manhã desta sexta-feira (18) a 43ª e 44ª fases da Operação Lava Jato, respectivamente, Operação Sem Fronteiras e Operação Abate.

Polícia Federal deflagrou duas fases da Operação Lava Jato no mesmo dia

Foram cumpridas 46 ordens judiciais distribuídas em 29 mandados de busca e apreensão, 11 mandados de condução coercitiva e seis mandados de prisão temporária na capital de São Paulo, em Santos e na capital do Rio de Janeiro. Dois gerentes da Petrobras estão entre os alvos dos mandados de prisão temporária.

A Polícia Federal aponta que os dois casos se inserem no contexto de corrupção, desvio de verbas públicas e lavagens de ativos identificados em contratação de grandes empresas com a companhia Petrobras.

Vaccarezza é alvo da Operação Abate, uma das duas novas fases da Lava Jato deflagradas

Na chamada Operação Sem Fronteiras, a PF diz que investiga "a relação espúria entre executivos da Petrobras e grupo de armadores estrangeiros para obtenção de informações privilegiadas e favorecimento obtenção de contratos milionários com a empresa brasileira".

Na Operação Abate, ainda segundo a corporação, a ação visa desarticular grupo criminoso que seria apadrinhado pelo ex-deputado federal, cuja influência seria utilizada para a obtenção de contratos da Petrobras com empresa estrangeira. Nesta relação, recursos teriam sido direcionados a pagamentos indevidos a executivos da estatal e agentes públicos e políticos, além do próprio ex-parlamentar.

Os presos serão levados para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba onde permanecerão à disposição do juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba. 

>> PF confirma fim de grupo exclusivo da Lava Jato em Curitiba

>> MPF: Dissolução do Grupo de Trabalho da Lava Jato na PF prejudica investigações

>> "Gilmar Mendes quer acabar com poder investigatório do MP", diz procurador

>> Procuradores criticam redução de força-tarefa

>> "Governo Temer sufoca a Polícia Federal", diz procurador da Lava Jato



Tags: curitiba, investigações, lava jato, partido, petrobras, política

Compartilhe: