Jornal do Brasil

Terça-feira, 22 de Agosto de 2017

País

Michel Temer protocola na Justiça queixa-crime contra Joesley Batista

Advogados de presidente o acusam de calúnia, difamação e injúria 

Jornal do Brasil

A defesa do presidente Michel Temer protocolou, nesta segunda-feira (19), na Justiça uma queixa-crime por calúnia, difamação e injúria contra o dono do grupo JBS e delator da Lava Jato, Joesley Batista. A ação, que será analisada pelo juiz Marcus Vinícius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal de Justiça do Distrito Federal, foi apresentada após o empresário acusar Temer, em entrevista à revista Época deste fim de semana, de ser o chefe da "maior e mais perigosa organização criminosa do Brasil". 

No domingo (18), Temer já havia reagido à entrevista e anunciado que iria à Justiça contra o que chamou de "mentiras". Temer ainda chamou Joesley de "bandido notório".

O empresário ainda afirma, na entrevista à Época, que o presidente não fazia "cerimônia" ao pedir dinheiro para o PMDB. Ele descreve uma relação de intimidade com o presidente.

Segundo a defesa de Temer, a entrevista foi "desrespeitosa e leviana", além de ofensiva à pessoa do presidente. Para os advogados, as declarações de Joesley levam a sociedade a questionar a honradez de Temer.

"Na verdade, todos sabem o real objetivo do querelado [Joesley] em mentir e acusar o querelante [Temer], atual presidente da República: obter perdão dos inúmeros crimes que cometeu, por meio de um generoso acordo de delação premiada que o mantenha livre de qualquer acusação, vivendo fora do país com um substancial (e suspeito) patrimônio.", diz trecho da petição.

>> Michel Temer diz que Joesley 'desfia mentiras em série'

>> Opinião: Joesley, atentado contra a segurança nacional

Michel Temer divulgou vídeo nas redes sociais nesta segunda-feira
Michel Temer divulgou vídeo nas redes sociais nesta segunda-feira

A segunda ação da defesa destaca que Joesley Batista não apresentou nenhuma prova do que disse na entrevista à Época. “O ato lesivo afetou os direitos de personalidade do autor [Temer], sua honra, sua integridade psíquica e seu bem-estar íntimo, colocando em dúvida perante a sociedade a sua conduta ética e as suas virtudes. A imagem e honorabilidade do autor foram extremamente atingidas pelas levianas acusações direcionadas pelo requerido, as quais, no mínimo, colocaram em dúvida a credibilidade e idoneidade do autor como presidente da República e cidadão. Indiscutível, portanto, que o autor sofreu dano moral”, diz a peça.

Temer é o chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil', diz Joesley Batista à revista

Joesley Batista, um dos donos da JBS, disse em entrevista à revista Época que Michel Temer é o "chefe" da "maior e mais perigosa organização criminosa desse país", estabelecida na Câmara dos Deputados. O empresário afirma que, junto com outros políticos do PMDB, como Eduardo Cunha, Henrique Eduardo Alves e Geddel Vieira Lima, Temer montou um esquema para receber propina em troca de apoio no Congresso e em órgãos do governo.

"O Temer é o chefe da Orcrim da Câmara", diz Joesley. "Quem não está preso está hoje no Planalto. Essa turma é muita perigosa. Não pode brigar com eles. Nunca tive coragem de brigar com eles. Por outro lado, se você baixar a guarda, eles não têm limites."

O executivo destacou que o núcleo político comandado por Michel Temer foi o grupo "de mais difícil convívio" que ele já teve na vida. "Daquele sujeito que nunca tive coragem de romper, mas também morria de medo de me abraçar com ele."

Joesley ressalta que Geddel seria o principal interlocutor entre o empresário e Temer. "De 15 em 15 dias era uma agonia terrível. Sempre querendo saber se estava tudo certo, se ia ter delação, se eu estava cuidando dos dois. O presidente estava preocupado. Quem estava incumbido de manter Eduardo [Cunha] e Lúcio [Funaro, apontado como operador do ex-presidente da Câmara] calmos era eu."

Questionado se Geddel falava em nome de Michel Temer, Joesley responde, "sem dúvida". "Depois que o Eduardo foi preso, mantive a interlocução desses assuntos via Geddel. O presidente sabia de tudo. Eu informava o presidente por meio do Geddel. E ele sabia que eu estava pagando o Lúcio e o Eduardo. Quando o Geddel caiu, deixei de ter interlocução com o Planalto por um tempo. Até por precaução."

Segundo Joesley, existia uma hierarquia entre Funaro, Cunha e Temer. "A pessoa a qual o Eduardo se referia como seu superior hierárquico sempre foi o Temer. Sempre falando em nome do Temer. Tudo que o Eduardo conseguia resolver sozinho, ele resolvia. Quando ficava difícil, levava para o Temer. Essa era a hierarquia. Funcionava assim: primeiro vinha o Lúcio. O que ele não conseguia resolver pedia para o Eduardo. Se o Eduardo não conseguia resolver, envolvia o Michel."

"O mais relevante foi quando Eduardo tomou a Câmara. Aí virou CPI para cá, achaque para lá. Tinha de tudo. Eduardo sempre deixava claro que o fortalecimento dele era o fortalecimento do grupo da Câmara e do próprio Michel. Aquele grupo tem o estilo de entrar na sua vida sem ser convidado", declarou Joesley, questionado se realmente precisava tanto do grupo de Eduardo Cunha, Lúcio Funaro e Temer.

Após o primeiro contato dos dois, em 2010, Temer teria solicitado favores ao executivo, como o pagamento do aluguel de um escritório em São Paulo. Joesley conta ainda que a relação com o peemedebista sempre foi institucional, "de um empresário que precisava resolver problemas e via nele a condição de resolver problemas".

O portal da revista publicou online apenas alguns trechos da entrevista, que também fala, entre outras coisas, sobre a forma como o PSDB de Aécio Neves entrou em leilões para comprar partidos nas eleições de 2014.

Tags: joesley, julgamento, presidente, processo, temer

Compartilhe: