Jornal do Brasil

Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017

País

Temer diz ter “absoluta certeza” da aprovação das mudanças na legislação trabalhista

Presidente comemora rapidez das tramitações e agradece à base governista

Jornal do Brasil

Em jantar com integrantes da Frente Parlamentar Agropecuária, na noite de terça-feira (14), o presidente Michel Temer falou em tom de comemoração sobre a rapidez com que tem obtido a aprovação de projetos. “Nosso governo imaginava que levaria dois anos, dois anos e meio para realizar as reformas imprescindíveis ao país. Mas, com o apoio do Congresso, em seis, sete meses já havíamos aprovado o teto, a reforma do ensino médio, a questão do petróleo, e encaminhado a reforma da modernização da legislação trabalhista”, disse o presidente. Temer afirmou ainda ter “absoluta certeza” da aprovação das mudanças na legislação trabalhista. 

Segundo o presidente, graças à “conjunção entre empregados e empregadores” as mudanças na legislação trabalhista serão feitas rapidamente. “Tenho absoluta certeza desse fato”, disse, ao destacar que sua base conseguiu, em menos de dez dias, aprovar também a admissibilidade da reforma da Previdência.

>> Brasil vai entrar numa época de manifestações sindicais e sociais, diz sociólogo

Temer participa de solenidade de posse da diretoria eleita da Frente Parlamentar da Agropecuária
Temer participa de solenidade de posse da diretoria eleita da Frente Parlamentar da Agropecuária

O presidente também afirmou que a agricultura e o agronegócio são os setores que indicam o rumo do país. “Quando nós, no governo, dizemos que o Brasil tem rumo, a primeira direção para a qual olho é, exatamente, a agricultura, o agronegócio”, disse o presidente ao fazer um “pré-anúncio” de que a safra será “igualmente extraordinária” em 2017 e em 2018.

“Queremos também simplificar e desburocratizar o sistema tributário do país. Para isso, precisamos contar com o apoio e, mais do que apoio, com o entusiasmo de vocês”, completou.

Com Agência Brasil

Tags: Governo, Temer, Trabalho, michel, reforma, regra

Compartilhe: